Domingo, 05 de Fevereiro de 2023
Follow Us

Sexta, 13 Janeiro 2023 09:55

No país onde o perverso progride - Regime / MPLA reserva um velório atípico para Nando Ngombiri

Tudo indica com pompa e circunstância, glamour, hino nacional, tapete vermelho, quem sabe até mesmo com fogo de artifício e bandeira nacional içada? E as perguntas que ficam no ar, quem as vai responder?

Mas atenção, essa crônica não é a minha discussão com o outro lado da alma do falecido Nando Ngombiri nada disso manos. Pois se há quem mesmo sendo insano, os que lamentam e choram a morte de um ditador, porque não haver quem vangloria os efeitos de um Ngombiri como foi o Nando na verdade?

Aqueles que acreditam era seu nome de família Ngombiri, escolhido pelos seus familiares por ser filho de um pai que não lhe registrou. Estão enganados, este nome ele só o ganhou depois que se somaram os vários casos de mulheres que ele vigarizou na verdade enquanto viveu.

E não foram poucas, conheço uma senhora do Sambizanga filha de um conterrâneo do pai Nzeto com quem ele fez filhos e as recordações não são nada boas. Mas o que se esconde por detrás deste funeral que embora atípico com pompa e circunstância?

Será que foi ele o piloto que transportava os boletins de votos recolhidos de zonas do sul de grande afluxo de eleitores da UNITA que foram lançados aos rios? Foi quem pilotou os aviões de guerra que bombardearam regiões no matagal de Cabinda na perseguição aos homens da FLEC e acabavam por eliminar simples agricultores em suas lavras?

Teria sido ele quem transportou soldados angolanos que estiveram envolvidos. Na defesa de outros regimes ditatoriais como na Costa do Marfim e Congo por exemplo, com que o regime angolano sempre se solidarizou?

Ou é uma atitude para endossar e prestigiar a elite castrense criminosa, pela sua contribuição em prol da consolidação da ditadura em Angola, mascarada de democracia bárbara, escura e violenta?

Essas são algumas entre várias perguntas colocadas justamente por vários angolanos já. Que não estão a perceber as razões de tanta pompa e circunstância que se quer reservar ao velório mesmo que atípico de um Nando Ngombiri desses?

Num país onde já morreram tantos pilotos de forma estranha, alguns até pouco depois das suas mortes suas contas bancárias já tinham ganho pernas para andar na falta de asas para voarem?

Por Fernando Vumby

Rate this item
(1 Vote)