Quinta, 09 de Dezembro de 2021
Follow Us

Sexta, 19 Novembro 2021 09:09

Adalberto Costa Júnior e a Frente Unida

O Partido Comunista da União Soviética existia de 1917 até 1991. Nós que crescemos durante a Guerra Fria temos uma ideia do poderio deste partido. Lembro-me claramente em 1989, em Copenhaga, capital da Dinamarca, estando na companhia de jovens vindo da União Soviética; eles pareciam robôs quando recitavam os valores da Komsomol etc.

Por Sousa Jamba

No fim, tudo aquilo desmoronou. O ANC África do Sul, sim o grande ANC, está hoje de rastos porque nas eleições locais não teve a maioria para reinar nas áreas urbanas. Já se fala do ANC um dia ser um partido minoritário. O que é que estes dois partidos têm em comum? Cultura organizacional que excluía a inclusividade.

O Partido Comunista Soviético no fim era composto por uma elite que se defendia com narrativas de que era a mais esclarecida. O ANC também realçava a sua legitimidade por ser o partido que lutou contra o apartheid. Mas o mundo, sobretudo a política, o processo de reter o poder para satisfazer as necessidades da sociedade, tem as suas lógicas e exigências; em 1991 na Rússia, as histórias de 1917 não resolviam os vários problemas que a sociedade estava a enfrentar. Em 2021, na África do Sul, já não se podia insistir nas vitórias de 1994.

A UNITA em Angola tem uma riquíssima história. A sua capacidade de sobreviver desafios de vários tipos é impressionante. De todos partidos fundado nos anos 60 no continente Africano,  que não atingiram o poder, a UNITA é o único que está intacto. Aqui na Zâmbia, onde estou, quase ninguém fala do partido UNIP, que estava no poder quando a UNITA foi formada em 1966; no Zaire, o MPR de Mobutu é História.

A UNITA sempre teve uma imensa capacidade de rejuvenescer. No lançamento da campanha do Adalberto Costa Júnior, o General Lukamba Gato notou que na sala havia a geração de 1966; de 1975; de 1992; de 2021 e de hoje. Ele disse que naquela sala havia o passado, o presente e o futuro. Ele próprio, o Lukamba Gato, é da geração de 1974; ele fez parte dos jovens que com vinte anos passaram a comandar bases e a realizar operações quase incríveis. Em 1986, Março, eu estava na casa do Geral Lukamba Gato em Patin, um subúrbio de Paris, vindo das matas na companhia do General Alicerce Mango. Lembro-me claramente que na altura o General Gato me disse que eu iria para Londres para me formar para depois servir o nosso povo.

Na UNITA hoje não é apenas uma questão de passar o bastão das estafetas; a história de Angola resultou numa vastíssima  bacia política.  Vários factores fazem com que a alternância no país só é possível com a junção de várias forças — com a criação de várias frentes unidas. O grande Politólogo Nigeriano, o falecido Tajudeen Abdul-Raheem, me disse uma vez que o Jomo Kenyatta, presidente do Kenya, não gostava do Kwame Nkrumah, que falava dos Estados Unidos de África porque o Kenyatta não conseguia imaginar qual seria o seu papel num estado que, na sua visão, seria dominado por Nkrumah.   É difícil fazer as pessoas visualizarem que a alternância não é apenas uma questão de liderança; a alternância é uma transformação da sociedade que trará imensa oportunidades para todos.

 Numa Angola com um governo sério, onde os recursos são empregue dignamente, onde as estradas, escolas, hospitais, sector privado funcionam como deveria ser os postos administrativos em partidos políticos ou mesmo assentos no parlamento não teriam tanta importância. O jovem em Cabinda iria para trabalhar no Porto Seco no Luena; o jovem técnico no Cunene iria trabalhar nas minas de cobre no Uíge.

Nos últimos dois anos, Adalberto Costa Júnior e sua equipa,  foram dando um imenso impulso ao lado da UNITA de sempre agregar compatriotas na causa do bem estar da nação. Em 1975, o Dr Jonas Malheiro Savimbi foi ao seminário do Chipeio no Huambo para expandir a mensagem da UNITA. Lá, um jovem de treze anos, Adalberto Costa Júnior, aderiu à causa da UNITA; este jovem cresceu na UNITA e agora vai ajudar na criação de alianças para transformar o nosso país.

 A UNITA sobreviveu porque soube sempre evitar a ferrugem que vem com a falta de uma cultura acolhedora. Os rivais da UNITA sabem exatamente o poderio de uma UNITA que facilmente vai criando alianças. É por isso que eles têm medo so ACJ e tentaram lhe combater com todo seu arsenal; apoiar e defender o ACJ assim como a sua equipa é garantir um futuro digno para o nosso país…

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up