Domingo, 24 de Janeiro de 2021
Follow Us

Sexta, 18 Dezembro 2020 14:20

Reforma da política cambial afunda valor do Kwanza e penaliza famílias e empresas

O Banco Nacional de Angola (BNA) tem conseguido reduzir a pressão da banca comercial e de particulares sobre os escassos recursos em moeda estrangeira de que o País dispõe, mas a desvalorização da moeda nacional em mais de 76,1% face ao dólar e de quase 79% face ao euro desde 2018 tem "apagado" estes feitos, já que deixou as famílias e várias empresas mais pobres, de acordo com vários analistas e empresários.

Desde 2018, altura em que o banco central pôs em marcha a reforma da política cambial, o Kwanza perdeu quatro vezes o seu valor face ao dólar e quase cinco vezes face ao euro, o que significa que as pessoas e as empresas passaram a precisar de mais kwanzas para comprar hoje os mesmos bens e serviços que há dois anos.

A reforma visa, entre outros, acabar com o diferencial entre as taxas de câmbio do mercado formal e informal, ou no mínimo aproximá-las, aumentar participantes no processo de vendas de moeda estrangeira, fazendo com o que o mercado, por si só, estabeleça o equilíbrio entre a procura e a oferta. Visa também introduzir regimes de taxas flutuantes e estabilizar as reservas internacionais líquidas.

Mas só isso não bastava, já que a economia angolana é fortemente dependente do sector petrolífero que atravessa uma crise profunda desde 2014 e tem registado quedas sucessivas nos seus preços de venda no mercado internacional.

De 2018 a Novembro deste ano, o preço médio de venda do barril de petróleo caiu mais de 45 USD.

Assim, e apesar do cabaz de medidas que têm vindo a ser tomadas, as medidas do BNA não conseguiram travar a procura por divisas nas ruas, na banca formal, nem mesmo a descida das Reservas Internacionais Líquidas, o que é explicado, em parte, de acordo com analistas, com o facto de a economia nacional produzir abaixo dos níveis daquilo que consome, além de ter um substancial serviço de divida pública em moeda estrangeira.

"E o facto dos custos das importações estarem a subir com a depreciação cambial, não tem sido razão suficiente para reduzir a procura por divisas. As pessoas precisam de se alimentar e manter o seu padrão de vida. E elas estão dispostas a pagar pelo preço", sublinha o economista Wilson Chimoco.

Estes impactos só não foram sentidos antes, segundo um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), por uma questão eleitoralista, já que o Governo adiou as reformas antes de 2017. Assim, o impacto do fim do regime da taxa fixa teria sido mais suave, admitem especialistas. Expansão

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up