Quarta, 06 de Julho de 2022
Follow Us

Terça, 03 Mai 2022 22:55

Eleições decorrem no pior ambiente político de todas as votações, diz Adalberto Costa Júnior

O líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior acusou as autoridades responsáveis pelas eleições de não respeitarem a lei e disse que o seu partido não será levado para as mesmas “de qualquer forma”.

O dirigente do Galo Negro disse que as eleições estão a decorrer no pior ambiente de sempre.

Falando na abertura de uma reunião ordinária do Comité Permanente da UNITA, Adalberto Costa Júnior acusou o executivo e os órgãos encarregues de organizar as eleições de estarem a violar constantemente as leis.

"O ministério da administração do território, a CNE devem cumprir a lei, a CNE deve afixar imediatamente a lista dos cidadãos registados até agora, como manda a lei”, disse.

“As instituições estão a violar as leis e nós não podemos aceitar ser conduzidos para as eleições de qualquer maneira, de qualquer forma", acrescentou.

Para Adalberto Costa Júnior “A abordagem destas eleições estão-se a fazer no pior ambiente democrático de todas as outras eleições"

Costa Júnior mencionou aspectos como a justiça e a postura da mídia em relação aos partidos como os mais flagrantes caasos de ilegalidades

"O excessivo e abusivo uso dos tribunais e da justiça a interferir na vida dos partidos políticos, na comunicação social vemos tempos de verdadeiros escândalos de censura e tratamento desigual entre os partidos", disse o dirignete da UNITA que denunciou igualmente a falta de cumprimento em relação a lei que prevê participação dos cidadãos angolanos na diáspora.

"Feito o balanço, o registo eleitoral só teve lugar em 12 países, é uma vergonha, é inaceitável, incompetência e má fé", disse.

A CNE e o governo não reagiram às declarações do líder da UNITA mas anteriormente a vice-presidente do MPLA, no poder, Luísa Damião disse que as acusações de fraude e de ilegalidades são um pretexto usado pela oposição que “sabe que vai perder”

Frente Patriótica Unida é para aqueles que “não estão bem na actual situação”

O presidente do Bloco Democrático, Filomeno Vieira Lopes, afirmou nesta terça-feira, 03, em Benguela, que o seu partido abraçou a Frente Patriótica Unida (FPU) para tirar Angola dos carris de um mono-partidarismo disfarçado, apontando como sinais de falta de democracia a ausência de autarquias e a gestão das finanças públicas sem fiscalização da Assembleia Nacional.

Convicto de que a FPU vai contornar o que chama de barreiras judiciais na caminhada para o contacto com o eleitorado, Vieira Lopes descxreveu de “uma vergonha” a incapcidade do estado angolano resolver o problemas dos veteranos.

Na passagem por Benguela após visitas ao Namibe e Huíla, o presidente do BD salientou que o projecto de sociedade da FPU vai permitir colocar as riquezas do país ao serviço dos angolanos.

“Não queremos só resolver problemas ligados à democracia, queremos ver o problema da fome e do desemprego, demonstrando que as potencialidades podem ser utilizadas e usufruídas pelos angolanos, o que não acontece nesse momento”,disse..

Filomeno Vieira Lopes diz “primeiros os angolanos”, tal como outro membro da FPU, o líder do projecto Pra-Já Servir Angola, Abel Chivukuvuku, no mais recente pronunciamento público, no passado fim de semana.

“ Nós transmitimos mensagem de fé e esperança, o cidadão sabe o que quer: aquele que pensa que está bem pode votar na situação, mas quem acha que precisa de mudar porque a vida vai mal vote Frente Patriótica”, disse Chivukuvuku. VOA

Rate this item
(0 votes)