Domingo, 25 de Setembro de 2022
Follow Us

Que cometeram contra angola e contra os angolanos: Por mais que a gestão do país pela UNITA opte por uma política de perdão ou seja de clemência para se apaziguar os ânimos na busca de um ambiente de convivência harmonioso entre os angolanos.

Vivemos um momento histórico. Nunca, desde as primeiras eleições legislativas, em 1992, a UNITA procurou apresentar uma frente oposicionista unida e liderar uma coligação de partidos políticos para confrontar o governo. Ademais, talvez com a excepção de 1992, nunca como agora houve um desejo e uma esperança tão grandes de vitória. Faltam pouco mais de três meses para as eleições.

As notícias sobre a saúde de figuras públicas, que dominaram esta semana as redes sociais, representam um alerta amarelo para um caminho sinuoso do jornalismo sensacionalista que muitos países fizeram.

Nas próximas semanas a UNITA vai ter que manter o seu foco; haverá uma grande luta de nervos. A imprensa estatal vai ser um palco crucial neste confronto; haverá um momento em que vai se tirar as luvas no confronto.

A intenção propositada é ludibriar e deixar em curto circuito os angolanos de bem com manchetes sensacionais. Porcamente exageradas , estruturadas por idiotas intelectuais paninas da última carruagem e cornos mansos evidentemente falsas colocadas nas redes sociais.

Está no ar e vai já em velocidade de cruzeiro uma campanha, alegadamente patriótica, que pretende a todo custo passar ao eleitorado a ideia de que o actual Presidente da República e líder do MPLA nada teve a ver com os erros de governação do passado.

Terça, 26 Abril 2022 17:10

Carta aberta aos angolanos

Antes de mais as minhas fraternas e cordiais saudações para todos os angolanos sem qualquer exceção sejam eles de que partido, religião, credo ideológico forem. Essa carta é extensiva, e como sempre só a lê, quem quiser até porque nunca fui de mendigar leitores.

Os mecanismos diplomáticos têm sempre como finalidade promover e manter a paz e estabelecer bases sólidas e eficientes para que se possam criar ambientes viáveis e significativos de modo a permitir que os Estados e as Organizações regionais, internacionais e transnacionais possam cooperar eficazmente entre si em diferentes âmbitos: âmbito econômico-financeiro, âmbito comercial, âmbito social, âmbito cultural, âmbito geopolítico e âmbito estratégico-militar.

Página 8 de 295