Domingo, 14 de Agosto de 2022
Follow Us

Segunda, 31 Janeiro 2022 12:33

Estudantes angolanos anunciam manifestação para sábado devido à greve dos docentes universitários

O Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA) anunciou hoje uma manifestação para 05 de fevereiro a favor do retorno das aulas nas universidades públicas angolanas, devido à greve dos docentes, desde 03 de janeiro, que pode “condicionar os exames”.

O MEA, em nota de imprensa enviada hoje à Lusa, recorda que a greve dos docentes “já se alastra há semanas” e até ao momento “não houve consenso” entre os grevistas, afetos ao Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior (Sinpes) e o Governo angolano.

“Estando em período de provas da 2ª frequência e exames do Iº trimestre e que até ao momento tudo se encontra paralisado”, lê-se na nota.

Segundo o movimento estudantil angolano, a manifestação a favor do regresso das aulas nas instituições públicas do ensino superior em Angola surge “em defesa dos estudantes que continuam penalizados”.

Estudantes universitários, pais e encarregados de educação, pessoas singulares e coletivas solidárias com os estudantes e demais interessados “estão convidados” a participar desta manifestação que deve percorrer a avenida Deolinda Rodrigues até ao largo 1º de Maio, em Luanda.

Os docentes entram hoje para a quinta semana de greve, “por tempo indeterminado”, e exigem aumento salarial e melhores condições laborais, e pedem intervenção do Presidente angolano.

Segundo o secretário-geral do Sinpes, Eduardo Peres Alberto, a paralisação teve início em 03 de janeiro de 2022, e surge devido ao “incumprimento do memorando” de entendimento assinado em novembro de 2021 com a tutela, defendendo resolução urgente da situação.

“O Sinpes lamenta a falta de respostas concretas para se ultrapassar a greve dos docentes, mas toda a culpa e risco que o ano académico ocorre é da inteira responsabilidade do Ministério do Ensino Superior e do Governo”, afirmou hoje o sindicalista à Lusa.

Uma “fracassada” ronda negocial foi realizada na passada semana, na sede do Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação (MESCTI), em Luanda, “mas a ministra do setor não tinha qualquer contraposta salarial para os docentes”.

Rate this item
(0 votes)