Terça, 09 de Março de 2021
Follow Us

Segunda, 30 Novembro 2020 14:55

Advogado Lourenço Adão acusado de liderar burla milionária ameaça usar generais e comissários contra empresário

O advogado e assessor jurídico do Cofre da Providência da Polícia Nacional,  Lourenço Agostinho Adão, acusado de ter encabeçado uma burla de milhões de kwanzas da empresa Bernardo Fonseca e Herdeiros, LDA, tem alegadamente ameaçado usar as suas influências com generais e comissários do aparelho de Estado angolano para infernizar a vida do empresário e de toda família.

Segundo uma denúncia para Angola24Horas, as ameaças surgem depois que o representante decidiu denunciar Lourenço Adão, inscrito na Ordem dos Advogados de Angola, ao ver os principais problemas da sua empresa sem resolução, quando mais de 20 milhões de kwanzas já estavam nas mãos do advogado, por vias de empréstimo e suposta compra de dois apartamentos, o que foi, pouco depois considerado uma burla, pois esses valores nunca voltaram à conta da empresa.

O Socio gerente da empresa, Bernardo Fonseca, constituiu, no ano 2007, Lourenco Agostinho Adão, Advogado, inscrito na Ordem dos Advogados de Angola, com a Cédula Profissional nº790, com fim de tratar os assuntos das Dividas Publicas que o Governo Provincial do Bié e as Forças Armadas Angolanas, haviam contraído na empresa nos anos 1992 a 1998.

"Conhecemos a advogada Maria Lisete Luleca, através do advogado Lourenco Agostinho Adão, está alegava ser Advogada do general Geraldo Satchipengo Nunda, no ano 2010, alegando teŕ entrado em contacto com o referido general que terá supostamente orientando o pagamento da dívida à DAF.EMG em prestações, devido ao Orçamento que eles recebiam", avança.

A denúncia refere ainda que, nesta altura, os advogados disseram ao Socio Gerente, Bernardo Fonseca que precisava abrir uma conta conjunta com estes para que a DAF.EMG passa a creditar os valores por intermédio de ordem de saque, o que foi feito no Banco Sol com os dois advogado, fornecendo as copias dos bilhetes de identidade à gerente conforme acharam ser útil.

"No dia seguinte, a gerente liga para mim e manda-me comparecer ao Banco sozinho com urgência. Disse-me que recebemos uma orientação do nosso Gabinete Jurídico/Banco Sol que os teus advogados não podem ser assinantes da conta porque não fazem parte da constituição da empresa", conforme se lê.

Liguei para eles, afirma ainda, expliquei o assunto e ficaram chateados, disseram que a fonte, desta feita, não vai aceitar mas fica calmo e descansado, nós vamos falar com eles que você̂ só́ vai movimentar a conta na nossa presença porque a ordem de saque estará́ na nossa posse.

O Escritório dos Advogados está́ em Luanda, na Avenida 4 de Fevereiro, nº 57, 2º Andar, cuja responsabilidade foi a resolução do problema do processo da dívida das FAA, em que o sócio gerente tinha de assinar um termo de compromisso de 20% do valor pago na totalidade pelo Estado Maior General do Exército para o escritório, mais um acordo oral de 10% para fonte dentro da Direcção de Finanças FAA.EMG.

Em 2011 o Estado Maior General FAA, terá efectuado o primeiro pagamento em ordem de saque, na conta do Banco Sol da empresa, sendo que o advogado Lourenço Adão solicitou ao Sócio Gerente um empréstimo de 15.000.000.00 (quinze milhões de kwanzas) para compra de uma vivenda no Benfica, alegando não ter casa e que estava em fase de divórcio, valor que foi transferido para conta Bancaria de Adérito da Silva Rodriguês, número de conta da empresa 27015164.

Passados 4 meses, o gerente solicitou ao advogado a devolução do valor, pelo que este fez várias promessas, "infelizmente não cumpriu ainda me ameaçou e me chamou de ingrato e sulano burro".

"De tanta pressão que eu fazia, ligou-me pedindo para comparecer no seu Escritório e disse para ter calma, porque as suas duas amigas estavam a vender (2) dois Apartamentos localizados no Projecto nova vida. Solicitei o encontro com as senhoras, infelizmente, este disse que deram todos poderes a ele para negociar, confiei na sua palavra e efectuei as devidas transferências", lê-se.

As referidas transferências bancárias foram feitas às contas de, Vanda Miguel Dias, no valor de 5.719.360.73 kzs, conforme o extrato bancário em anexo, e Elizabeth Maria Sebastião, no valor de 6.492.406.20 kzs, mais 484.636.00 kwanzas e outros 300.000.00 kwanzas.

Meses depois, Bernardo Fonseca diz ter voltado a solicitar a entrega das chaves dos apartamentos, uma vez que tenha cumprido com as obrigações, tendo sido "arrogantemente" chamado de ́muito chato e ingrato, por Lourenço Adão, o que lhe obrigou a falar com os operativos do advogado, Rui Mingas e Virgílio que o aconselharam dizendo para abrir o olho.

"O Dr. Loló já recebeu os apartamentos e está a te enganar, os seus enteados estão a viver nos apartamentos e mandou seguir no (Kizua-operativo dele de campo) para controlar os teus passos tens que ter muito cuidado", lê-se igualmente na denúncia.

ENVOLVIMENTO DE OUTRA ADVOGADA DO MESMO ESCRITÓRIO DOS ADVOGADOS E SUA IRMÃ FUNCIONÁRIA DO BPC

A advogada Maria Lisete Luleca, também é acusada de o enganar, quando deu conta do pagamento na totalidade, do honorário do Escritório-Advogad­os, e, que não iriam receber mais dinheiro, ludibriou a firma com conversa de que a fonte da Direcção de Finanças do Estado Maior General FAA.EMG, disse que a empresa tinha que continuar com os pagamentos fazendo transferência na conta desta, no Banco Sol, caso contrário a fonte poderia  cancelar os pagamentos.

"Infelizmente passado um tempo, tivemos conhecimento, por intermédio de um dos seus operativos que os Advogados acima citados tiveram uma discussão terrível acerca da divisão da mixa. Liguei para ele avisei se ele não devolver o dinheiro vou lhe denunciar, respondeu-me se estás armado em mais vivo do que eu, vai se queixar aonde quiseres. Se sujares a minha imagem vais ver. Vou mandar te tomar medidas, não esquece que eu tenho amigos comissários, generais, ordem dos advogados, ministros e Governadores. Posso transformar a sua vida e da tua família no inferno", revela acrescentando que, com medo decidiu ficar no seu canto sem lhe incomodar.

"Devido a má fé dele decidi me afastar, troquei de número de telefone porque temia pela minha vida, por isso tive que regressar a minha província (Bié)", denuncia.

A denúncia avança que a firma cumpriu com o acordo, pagando o honorário de 20% do Escritório do Advogados parcialmente e a suposta mixa de 10% à DIRECÇÃO DE FINANÇAS FAA.EMG, conforme eles orientaram porém, no ano 2013 decidiram revogar a procuração com esses Advogados, devido a ganância e pela burla dos apartamentos e o dinheiro, sendo que, quando Lourenço Adão se deparou com o papel da revogação, como não tinha mais o meu número foi à casa do representante e o ameaçou que vai arrepender-se caso abra a boca, porque nesse dinheiro da mixa está metida cabeças grandes das FAA.

A advogada Maria Lisete Luleca, tem uma irmã de nome Ana Luleca, funcionária do Balcão Ilha 0019-BPC, ela também é tida como cúmplice nos desvios do dinheiro da Firma  Bernardo Fonseca e Herdeiros Lda, porque sendo a suposta gestora, fazia as transferências para as contas da "quadrilha" para alegada compra de carros de luxo, jóias, casas, terrenos e outros.

"Os Advogados acima citados são altamente burladores e perigosos, é só verificar nas contas deles no Sol e BPC. Depois de quase 9 anos, sem mantermos contacto, Lourenço Adão conseguiu os números dos meus irmãos, mandou-lhes comparecer no seu escritório, alegando que tem uma fonte dentro do Ministério das Finanças, propriamente no Grupo GTACE que pode pagar a dívida pública do Governo Provincial do Bié, o mais breve possível mas os informou que a fonte solicita que se retira urgente, o sócio gerente Bernado Fonseca da empresa, já é conhecido dentro do recinto e pode estragar a mixa", denuncia.

Depois do encontro destes com o advogado Lourenço Adão, reuniram em família, decidindo ludibriar os advogados, com certos encontros para colherem mais provas e serem entregues aos Órgãos de Direito, daí que o representante orientou os seus irmãos que fizessem um trabalho árduo de baixa visibilidade, aos advogados e os seus aliados, tendo alcançado tais provas.

"Nos Herdeiros de Bernardo Fonseca, nada mais nos resta pedir senão que, os órgãos de justiça nos ajudem a recuperar o nosso dinheiro e os imóveis burlados pelos advogados acima citados. Eles insistem em ameaçar-me e desrespeitarem-nos. Nós, Herdeiros, estamos agastados e revoltados com o péssimo comportamento dos advogados", apela.

A denúncia enfatiza que o advogado Lourenço Agostinho Adão, alega ter muitas influências e ninhos em quase todas instituições do Estado, trabalha na área de Assessoria jurídica do Cofre da Providência da Polícia Nacional, e que já foi denunciado este caso desde 2013, sendo que, até a data presente, a Ex. DNIC, agora SIC/Geral, o Estado Maior General, o Ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria, bem como a Ordem dos Advogados de Angola, infelizmente ninguém faz nada.

Armando Makengo Izzy

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up