Sábado, 22 de Junho de 2024
Follow Us

Quinta, 14 Março 2024 19:47

Líder da UNITA desafia justiça a investigar casos de abuso sexual de chineses em Benguela

O presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, desafiou, ontem, os órgãos de justiça, na província de Benguela, a investigarem os alegados casos de abusos sexuais envolvendo cidadãos chineses afectos a algumas empresas do subsector pesqueiro, na comuna da Caota.

Falando à margem da 3.ª reunião ordinária da LIMA, o braço feminino deste partido, Costa Júnior questionou por que razão “as autoridades insistem em ignorar os atropelos aos direitos humanos em empresas”, que segundo o líder partidário “vão em até cárcere privado”.

Reagindo às várias denúncias postas a circular nas redes sociais, inclusive por entidades sindicais, o presidente da UNITA disse não entender por que até hoje as autoridades ainda não puseram cobro ao problema, não obstante, as denúncias. “É porque também são co-proprietários das empresas, por isso praticam essas violações”, acusou.

O líder do maior partido na oposição angolana colocou acento tónico na questão relativa à organização social, para defender a necessidade de a sociedade civil organizar-se melhor, na perspectiva de conferir uma defesa forte às mulheres, sobretudo menores, aquelas que, segundo Costa Júnior, têm sido vítimas de abusos sexuais, praticadas supostamente por cidadãos estrangeiros, sendo que o gráfico de acusações tende para cidadãos chineses.

“Também me parece que seja necessário a própria sociedade organizar-se melhor”, sugeriu, para depois chamar atenção aos magistrados (judiciais e Ministério Público) a olharem para o assunto com a preocupação que se exige. O ‘fantasma das autarquias’

Também em Benguela, o presidente do “galo negro” repetiu que o partido governante estará a adiar as eleições autárquicas, por isso, é responsabilidade do seu partido liderar o combate político rumo à alternância do poder. Para Adalberto Costa Júnior, adiar as autarquias é, também, uma for- ma de violar os direitos das mulheres, pelo que urge a necessidade de se promover reformas políticas e constitucionais que viabilizem a consolidação de um Estado Democrático e de direito. A 3.ª reunião ordinária da LIMA, subordinada ao lema “LIMA, empoderar as mulheres para as autarquias”, junta, em Benguela, durante dois dias, representações das 18 províncias do país. OPAIS

Rate this item
(1 Vote)