Terça, 18 de Junho de 2024
Follow Us

Quarta, 03 Janeiro 2024 11:12

Os corruptos usam "imprensa mercenária" para desacreditar o combate à corrupção no País - IGAI

O director geral da Inspecção Geral da Administração do Estado (IGAI), Ângelo da Veiga Tavares, disse esta terça-feira, 02, que há "agentes activos e passivos", que beneficiaram da corrupção em Angola, bastante unidos "para desencorajar e desacreditar o combate à corrupção levado a cabo pelo Executivo", recorrendo à "imprensa mercenária".

Ângelo da Veiga Tavares disse ainda que os tais agentes estarão mais activos nos próximos dias. Segundo o número um da IGAE, tanto os dirigentes como os governantes não devem deixar-se intimidar por essas pessoas.

" Por estas ocasiões eles estão sempre unidos e desenvolvem actividades no sentido de recorrerem a `imprensa mercenária` para difamarem e caluniarem. Não devemos estar preocupados com isso nem nos deixar intimidar", disse o inpector geral do Estado, assegurando que "estas pessoas, corruptas, estarão sempre recorrer aos supostos portais de notícias, a que chamou "pasquins".

Conforme Ângelo da Veiga Tavares, que recebeu esta terça-feira os cumprimentos de ano novo, é assim que muitos têm tentado desacreditar a Inspecção Geral da Administração do Estado.

Segundo Ângelo da Veiga Tavares, o processo de certificação da dívida interna sob responsabilidade da IGAE, permitiu poupar ao Estado milhões de kwanzas e também de dólares.

O responsável da IGAI sublinhou que as actividades inspectivas têm identificado indícios de crimes graves praticados por empresas públicas, cujos processos são submetidos à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em Dezembro último, a IGAE detectou um esquema de corrupção na Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL), em que funcionários terão desviado mais de um milhão de dólares, comprando 18 residências em dois condomínios, no município de Talatona, e oito viaturas modelo Land Cruiser.

Conforme a IGAI, entre os acusados estão os antigos presidentes do Conselho de Administração da EPAL e altos funcionários da empresa, que terão beneficiado de mais de 20 milhões de dólares no esquema de corrupção. NJ

Rate this item
(0 votes)