Domingo, 25 de Fevereiro de 2024
Follow Us

Sexta, 20 Outubro 2023 17:45

Angola regista tráfico de órfãos e Assembleia da União Inter-Parlamentar prepara resolução

Angola regista casos de tráfico de órfãos, mas a situação não é tão preocupante como em alguns países, disse hoje a porta-voz da 147.ª Assembleia da União Inter-Parlamentar (UIP), que vai aprovar uma resolução sobre o tema.

“Para o caso concreto de Angola já há alguns casos [de tráfico de órfãos], não creio [que] seja muito preocupante, mas há países onde a situação é de facto muito preocupante, mesmo (...) de países africanos onde a situação é bastante preocupante”, afirmou hoje Idalina Valente em declarações à Lusa.

A deputada angolana, que falava sobre os preparativos para a 147.ª Assembleia da UIP, que decorre em Luanda entre 23 e 27 de outubro, afirmou que a problemática do tráfico em orfanatos será abordada no encontro e aí será aprovada uma resolução.

“Sim, vai ser aprovada uma resolução nesta sessão. Já tem o esboço da resolução. A nota conceptual foi aprovada logo após a realização da última assembleia e ela estará em condições para ser aprovada nesta assembleia”, sublinhou.

Segundo a responsável, neste encontro, que pela primeira vez se realiza em Angola e vai juntar deputados de 179 parlamentos, a temática do tráfico de órfãos estará em discussão visando travar o fenómeno, cada vez mais candente nos dias de hoje.

Defendeu que a ação dos parlamentares é fundamental para “ajudar a minimizar esta situação (tráfico em orfanatos)”.

Idalina Valente esclareceu que a aprovação de resoluções tem sido prática do plenário da UIP, após discussões pelas comissões permanentes deste órgão internacional.

Deu a conhecer também que a UIP “desencadeou uma ação muito ativa” pela igualdade de género e pela representação dos jovens no parlamento, temas que serão discutidos em fóruns neste encontro de Luanda.

Perto de 1.400 delegados efetivos devem participar nesta assembleia, que vai igualmente eleger o 31.º presidente do órgão, em substituição do português Duarte Pacheco.

Pelo menos quatro candidatas africanas, nomeadamente, do Malaui, Tanzânia, Somália e Senegal, concorrem ao cargo para um mandato de três anos.

Sobre os preparativos do evento, a deputada angolana sublinhou que este decorre a bom ritmo e que muitos delegados já estão em Luanda a participar em reuniões preparatórias para o certame.

“A logística está funcional, estamos muito surpreendidos com a existência de capacidade interna para realizar um evento desta natureza, com empresas nacionais. Precisamos de melhorar alguns serviços, sobretudo bancários, que deve haver maior atenção, porque queremos promover o turismo”, assinalou.

Questionada sobre quanto Angola investiu para acolher a 147.ª Assembleia da UIP, a também coordenadora adjunta da organização preferiu não entrar em detalhes, dando nota, contudo, que o investimento global deve estar espelhado num relatório.

“Temos mais ou menos uma ideia, mas ainda é cedo para falarmos de contas. Contamos que até dia 30 de novembro próximo temos de fechar o nosso relatório e nessa altura apresentaremos essa situação”, assegurou.

“Só gostaria de dizer que as despesas de todos os participantes é por conta deles, desde alimentação, hospedagem. A Assembleia Nacional (parlamento angolano) disponibiliza o espaço do evento e temos obrigação de garantir transportes coletivos dos delegados até à assembleia”, acrescentou.

A paz, segurança internacional, alterações climáticas, direitos humanos, ciência e tecnologia são alguns dos temas que estarão em discussão nesta 147.ª Assembleia da UIP, cujos trabalhos vão decorrer na sede do parlamento angolano, no centro de Luanda.

Rate this item
(0 votes)