Terça, 24 de Mai de 2022
Follow Us

Sexta, 13 Mai 2022 20:52

ERCA recomenda cobertura jornalística "mais justa e equilibrada" da política

A Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA) recomendou hoje aos órgãos de comunicação social uma cobertura “mais justa e equilibrada” da atividade político-partidária, sobretudo em ano eleitoral, referindo que esta é pouco abrangente.

A ERCA, numa deliberação tornada pública hoje, recomenda aos responsáveis pela gestão editorial dos órgãos de informação a “serem os primeiros” a observarem o cumprimento da Constituição e da lei, “independentemente da linha editorial de cada órgão”.

A promoção do pluralismo de opinião sobre assuntos da atualidade política, social, económica e cultural do país e uma cobertura da atividade político-partidária “mais justa e equilibrada” constam entre as recomendações.

A ERCA recomenda ainda aos órgãos de comunicação social a serem “dinâmicos na busca incansável” e no tratamento dos factos e que sejam “verdadeiros intermediários entre os atores políticos e a sociedade, evitando ser parte ativa do debate”.

Aquela entidade diz observar “pouca abrangência” dos meios de comunicação social na cobertura de atividades político-partidárias e pede “abertura à participação de todos os atores políticos”, sobretudo em ano de eleições.

Segundo a ERCA, dentro dos limites que a lei impõe à liberdade de expressão e de informação, a ação diária dos gestores editoriais dos órgãos “deve ser norteada pelo respeito aos princípios da imparcialidade, objetividade e isenção”.

“Nesta perspetiva, a ERCA observa que não poucas vezes os meios de comunicação social não têm sido suficientemente abrangentes na cobertura da atividade político-partidária”, lê-se na deliberação.

Tendo em atenção a “necessidade de Angola preservar as conquistas alcançadas, tais como a independência, paz e reconciliação nacional, e a realização de eleições gerais num clima de completa estabilidade”, refere a entidade, os órgãos de comunicação, seus profissionais, independentemente da sua condição, devem pautar pelo respeito à Constituição e à lei”.

As eleições gerais em Angola estão previstas para a segunda quinzena de agosto próximo, como estabelece a Constituição angolana, revista em 2021.

Rate this item
(0 votes)