Quarta, 26 de Janeiro de 2022
Follow Us

Sexta, 03 Dezembro 2021 11:53

Empresas de seguranças iniciam esta sexta-feira a troca de armas de guerra em posse

A Polícia Nacional (PN) iniciou, esta sexta-feira, em todo o país, o processo de troca de armas de guerra em posse das empresas de segurança privada.

Segundo o comandante-geral da corporação, Paulo de Almeida, no âmbito desta medida, com vigência de seis meses, as empresas do sector passarão a usar, somente, armas de defesa pessoal.

De acordo com a fonte, que falava num encontro com responsáveis das empresas de segurança privada, a decisão enquadra-se na estratégia de recolha de armas de guerra em posse da sociedade civil e de empresas de segurança privada.

Dados disponibilizados pela Polícia Nacional indicam que o país conta com mais de mil e 300 empresas de segurança privada e 28 de serviço de auto proteção, com um total de 160 mil efectivos.

De acordo com o porta-voz da corporação, Orlando Bernardo, estima-se a existência de mais de 30 mil armas em posse dessas instituições privadas.

Conforme o oficial, doravante estas empresas estão proibidas de transferir armas de uma província para a outra.

"Nenhuma arma de guerra é transferida de uma província para a outra. Depois de algum tempo, esses artefactos vão começar a ser recolhidos também”, informou.

Na ocasião, o empresário José Rodrigues encorajou as empresas do ramo de segurança privada a aderir o processo de forma a evitar constrangimentos futuros.

Ao abrigo da Lei das Empresas de Segurança Privada, os agentes dessas instituições estão autorizados a usar, no exercício das suas funções, apenas armas ligeiras e de pequeno porte.

Ainda de acordo com a lei, de 2014, o comandante geral da Polícia Nacional pode, mediante análise casuística, limitar o número de armas a utilizar.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up