Segunda, 26 de Outubro de 2020
Follow Us

Terça, 07 Julho 2020 12:32

Caso Aenergy: “Guerra de turbinas” assume proporções épicas

Com acusações pelo uso de documentos falsos e dupla identidade, a luta pelo poder entre a Aenergy e o ex-CEO da General Electric, Wilson da Costa, assumiu proporções épicas.

Segundo um longo artigo publicado esta segunda-feira pelo site francês África Intelligence, o relacionamento entre ambos parece estar se encaminhando para um divórcio acirrado no tribunal distrital do sul de Nova York, onde foi feita uma queixa a 7 de maio último.

De acordo com a fonte, em Agosto de 2017 um mega contrato de US $ 1,1 bilhão, dividido em 13 contratos menores que cobrem a operação da central térmica do ciclo combinado do Soyo, a maior do país com seus 750 MW de capacidade de geração de energia – e a instalação de várias turbinas.

O contrato foi elaborado da seguinte forma. Usando um empréstimo da GE Capital, uma subsidiária do gigante grupo americano de electricidade, fez um pedido à Aenergy, que comprou turbinas e outros equipamentos construídos pela GE.

O entendimento entre as duas empresas chegou a um fim abrupto, no entanto, em agosto de 2019, quando os contratos foram rescindidos pelo actual chefe de estado angolano João Lourenço.

Essa decisão marcou o início da cruzada legal da empresa Aenergy contra o que alega ter sido uma quebra de contrato, reivindicando uma compensação total de US $ 550 milhões de dólares.

Wilson da Costa, cujo nome está em toda parte na acusação de 85 páginas apresentada ao tribunal em Nova York, é acusado de ter sabotado um acordo celebrado com as autoridades angolanas em 2018 para o financiamento de quatro novas turbinas, além das oito previstos no mega contrato original de agosto de 2017.

Tal acordo teve um papel crucial na melhoria da posição financeira da GE em Angola. Até então, o único vínculo do grupo americano com Angola era um contrato de garantia financeira concluído em 2015 para várias turbinas e geradores no ciclo combinando do Soyo. Mas este contrato também suscitou controvérsia.

Em 2018, uma avaria numa das turbinas projectadas pela GE na usina do Soyo, levou o Gabinete de Aproveitamento do Médio Kwanza (GAMEK) a entrar em contacto com o grupo dos EUA para fazer uso da garantia.

A GE Energy Products France SNC, subsidiária francesa do grupo responsável pelo caso, recusou-se a realizar reparos, no entanto, apontando os termos de um contrato celebrado a 30 de julho de 2015 entre a GE e o ministério, incluindo, um misterioso termo aditivo.

Assinado pelo Director-geral da GAMEK, Fernando Barros Gonga e Marc Winckel, representando a subsidiária francesa da GE, o acordo reduziu consideravelmente a duração das garantias que abrangem vários itens, incluindo turbinas a gás e geradores do Ciclo combinado do Soyo.

Em outras palavras, o novo contrato permitiu à GE fazer grandes ganhos, reduzindo o custo envolvido na correcção de possíveis defeitos de fabricação nos itens em questão.

Foi uma surpresa total para a GAMEK, que acusou a GE Angola de ter inventado toda a história da adenda do contrato.

Depois que foi descoberto, Barros Gonga, Director-geral do GAMEK repreendeu severamente Wilson da Costa, que negou que tal disputa tivesse ocorrido. Apesar do desapontamento do Director-geral da GAMEK, o caso parou por aí e nenhuma acção legal foi tomada contra a GE.

Identidade dupla

Wilson da Costa, que foi executivo da gigante mineira australiana Rio Tinto de 2008 a 2011 antes de subir na hierarquia da GE Angola, o seu nome verdadeiro é Wilson Besong (ou, de acordo com algumas versões, Bisong) e vem dos Camarões.

No início de 2019, foi preso pelo Serviço de Investigação Criminal por dupla identidade. O cidadão camaronês que se faz passar por angolano, é suspeito de ter falsificado um Bilhete de Identidade Angolano, obtido de forma fraudulenta, que pertencia inicialmente a um cidadão nacional natural de Malanje. Por esse motivo foi detido e restituído à liberdade, aparentemente devido à influência da sua rede de contactos em Angola, designadamente de altos titulares de cargos políticos no país.

Outra indicação desse tratamento especial foi o memorando de entendimento assinado com o governo angolano em junho de 2019 pela New Fortress Energy, uma empresa americana que recrutou o mesmo em maio de 2019. Este importante memorando, prevê o desenvolvimento, construção e operação de um terminal de gás natural liquefeito para abastecer as usinas de Angola, incluindo a do Soyo.  África Intelligence

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up