Domingo, 25 de Setembro de 2022
Follow Us

Terça, 19 Julho 2022 13:43

Tchizé dos Santos demarca-se de carta e diz que é contra amnistias

Tchizé dos Santos demarcou-se hoje do conteúdo de uma carta subscrita pelos filhos mais velhos do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, salientando que vai lutar "até ao fim" pela honra do pai e que é contra amnistias.

"Eu não assinei esta carta, não tive conhecimento e não assinei. Concordo que o meu pai não deve ser enterrado agora porque não faz sentido. Concordo que o corpo do meu pai seja enterrado em Angola quando houver condições e quando as pessoas que o perseguiram até à morte já não sejam Governo", sublinhou, referindo-se ao Presidente João Lourenço.

"O que quero que fique bem claro é que eu lutei pela honra e dignidade o meu pai até as últimas consequências e que uma dessas lutas inclui não aceitar nem pedir amnistia alguma, porque o meu pai não roubou ninguém e eu não tenho de servir de bode expiatório para os roubos de outras pessoas do MPLA, incluindo João Lourenço, Ana Dias Lourenço e a sua máquina e os seus amigos, que agora querem dar a entender que vão fazer uma amnistia porque a família dos Santos pediu", vincou.

A filha do ex-Presidente disse que enquanto cidadã angolana "jamais iria subscrever um documento desses", afirmou, destacando que "não tem nada a ver com essa carta" e questionando a autenticidade da mesma.

"Nenhum dos meus irmãos me informou que tivesse escrito, assinado ou mandado essa carta, eu duvido eu seja verdadeira porque ninguém me informou da sua existência. Se tivessem sido iria achar que estavam a trair a memória e a honra do meu pai e demarco-me redondamente", declarou à Lusa.

Numa carta enviada hoje à Lusa pelos serviços de assessoria da filha Isabel dos Santos, em que consta a assinatura de "Tchizé" dos Santos, os filhos mais velhos do ex-Presidente angolano defendem uma lei de amnistia geral e o "fim dos processos judiciais e institucionais contra muitos angolanos".

Na carta, assinada por outros filhos de Eduardo dos Santos - Isabel, José Filomeno "Zenu", Joess e José Eduardo Paulino "Coreon Dú" - comprometeram-se a colaborar na realização de um funeral nacional, mas após as eleições de 24 de agosto e pedem um mausoléu para acolher os restos mortais.​​​​​​​

“A única coisa que eu subscrevo é que o funeral de Jose Eduardo dos Santos não deve acontecer em Angola enquanto este governo estiver no poder. Tirem o meu nome disso é a única que eu peço”, disse Tchizé dos Santos à Lusa, lamentando que o pai tenha sido sujeito a “uma situação de indigência e indignidade” que passou inclusive pelo corte de luz e água na casa onde vivia, em Barcelona, por falta de pagamento.

Tchizé dos Santos disse que manteve conversas com alguns dos irmãos, mas apenas sobre o funeral e que nunca iria negociar com um Governo que acusa de perseguição.

“Eu sou uma pessoa para quem a honra está acima de qualquer dinheiro e eu estou preocupada com o enterro do meu pai, agora não vão aproveitar a morte do meu pai para ilibar uma série de pessoas que cometeram uma série de crimes, inclusive João Lourenço, porque elas têm de pagar. As pessoas que não cometeram crimes não precisam de amnistia, vão e provam que não roubaram”, sublinhou.

“Se essa lei da amnistia é por causa dos filhos de José Eduardo dos Santos, eu oponho-me totalmente a que seja proposta sequer, porque eu não faço parte do grupo de pessoas que acham que isto faz algum sentido”, reforçou.

Para Tchizé dos Santos, as leis são para ser cumpridas: “somos todos adultos e sabemos o que está escrito na lei de Angola e acho que essa amnistia é um pretexto que vai ilibar o sr. João Lourenço dos seus crimes”.

Disse ainda que não é a favor do fim dos processos judiciais, defendendo que as pessoas sejam ouvidas nos países onde estão e onde tenham garantias jurídicas de isenção para poderem ser ouvidas.

“Eu estou desejosa que a justiça portuguesa pegue nas provas todas que enviei da origem dos meus fundos há não sei quanto tempo e que arquive os meus casos”, referiu.

Tchizé dos Santos apontou amnistias anteriores como a que foi aprovada em 2016 por José Eduardo dos Santos, antes de deixar o poder a João Lourenço, como uma necessidade após 38 anos de poder, abrangendo todos os partidos políticos para que não se fizesse uma caça às bruxas.

“Foi um pretexto para soltar os ‘revus’ (jovens opositores do regime de José Eduardo dos Santos) que estavam simplesmente a lutar pelos seus direitos democráticos”, sugeriu.

Quanto ao “período de graça” previsto na Lei de Repatriamento dos Capitais para que os angolanos detentores de fortunas no exterior devolvessem os recursos ao Estado, aprovada já pelo seu sucessor, João Lourenço, considera que foi “um truque para perdoar os amigos deles”.

“Aquilo era uma lei de lavagem de dinheiro”, afirmou, salientando que recusou votar favoravelmente essa legislação, enquanto deputada, o que lhe valeu “perseguições, ameaças de morte e posteriormente a suspensão do mandato”.

Rate this item
(0 votes)