Quarta, 17 de Agosto de 2022
Follow Us

Quinta, 26 Mai 2022 10:25

Ativista na cadeia apela: "Povo angolano, peço socorro"

Ativista angolano Tanaece Neutro diz que precisa de cuidados de saúde urgentes e acusa as autoridades de lhe estarem a privar o acesso a assistência médica. Serviços Penitenciários asseguram que está tudo bem.

 Tanaece Neutro está detido desde janeiro. Até hoje, desconhece-se os crimes que lhe são imputados.

O jovem foi detido juntamente com Luther Campos depois de a Televisão Pública de Angola (TPA) os associar à vandalização do comité do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) em Luanda, durante a greve dos taxistas. Tanaece Neutro diz que o seu estado de saúde tem piorado de dia para dia.

Num áudio gravado a partir da Comarca de Viana, a que a DW África teve acesso, o ativista denuncia que as autoridades lhe estão a negar assistência médica: "Não me levam ao hospital e ainda estão a dizer que me vão transferir para uma cadeia distante. Também ameaçam colocar-me numa cela solitária", afirmou.

"Povo angolano, peço socorro, e também peço à comunidade internacional que nos ajude. Estamos a lutar apenas para a melhoria do nosso país."

Nivaldo Campos, o irmão mais novo do ativista Luther Campos, diz que ele também está doente na cadeia, embora o caso de Tanaece Neutro inspire maior preocupação.

Contudo, o porta-voz dos Serviços Penitenciários, Menezes Cassoma, garante que os dois jovens estão em "perfeito estado de saúde".

"As informações que estão a rolar, dando nota de que estão mal de saúde, não correspondem à verdade", disse o responsável em declarações à DW África. "Nas últimas semanas, o Tanaece foi ao Hospital Prisão de São Paulo para consulta médica, foi consultado e medicado e não teve de ser internado porque não está em estado grave, ele está bem. Por esta razão é que ele regressou ao estabelecimento penitenciário de procedência, que é o estabelecimento penitenciário de Viana."

À espera do julgamento

Legalmente, os ativistas já deviam ter sido libertados, uma vez que, passados mais de quatro meses deste a detenção, ainda não foi formalizada qualquer acusação. Mas os jovens continuam na prisão, à espera do julgamento.

"Se realmente eles comentaram um crime, então deixem que o tribunal faça o seu trabalho. Estão a impedir o tribunal de ouvir o Luther e o Tanaece. Eles querem ser julgados, mas não são levados a tribunal", afirma Nivaldo Campos, irmão de Luther.

Os jovens são considerados como "presos políticos" pelos colegas ativistas. Para Nivaldo Campos, há "uma mão que está a impedir que sejam julgados antes das eleições" gerais, marcadas para agosto.

UNITA apela a solidariedade

Tanaece Neutro pede ajuda ao Presidente angolano, João Lourenço.

"Mesmo doente não consigo receber assistência médica. Para ter assistência médica, também tenho que esperar ordens superiores? Camarada Presidente João Lourenço, peço ao senhor, ordene a minha soltura, ordene a soltura do Luther Campos. Já fizemos 120 dias na cadeia. Já estamos presos ilegalmente."

O rapper angolano Brigadeiro 10 Pacotes acusou a oposição de não se solidarizar com a causa dos jovens.

Mas, no sábado passado (21.05), o líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) disse que os políticos da oposição têm estado em silêncio por respeito à independência do poder judicial.

Adalberto Costa Júnior garantiu que nunca houve falta de solidariedade para com os jovens.

"Todos assistimos, em janeiro deste ano, a um ato que condenamos completamente, mas onde, por consequência deste ato, foram presos alguns jovens. É fundamental que se libertem os presos políticos deste nosso país", apelou. DW Africa

Rate this item
(1 Vote)