Terça, 16 de Julho de 2024
Follow Us

Sexta, 29 Abril 2022 13:12

Deputado da UNITA lamenta que países como EUA, Rússia e Cuba estejam fora do registo oficioso

O deputado da UNITA e Secretário Provincial de Luanda, Nelito Ekuikui, disse esta sexta-feira, 29 de Abril que fica muito confuso com os "modus" de operação do governo, as formas usadas para se governar, bem como a prática que parece coisa lunática, soube Angola24horas.

O parlamentar, referindo-se dos pronunciamentos do MAT, lembrou que estando a base de dados com cerca de 14 milhões de eleitores já contabilizados, embora seja provisório, os resultados em função da redução que sofrerá, o critério de redução será com base na retirada dos cidadãos falecidos e aqueles com direitos políticos e civis suspensos.

"Vejamos que, o ministro disse insistentemente que haverá uma redução significativa do número de eleitores, prontos! (Aqui já cheira maldade do MPLA)", disse.

O sufoco da democracia angolana

De acordo com político da oposição angolana, seria lógico, mais fácil e prático retirar do Ficheiro Informático, os dados daqueles que já morreram antes mesmo de começar no dia 23 de Setembro, o registo oficioso para as eleições de 2022.

"Estamos a avançar para registar novas pessoas para inserir na base de dados, que lógica tem a presença de pessoas já falecidas nessa nova etapa? Eu não compreendo isso. Ou estava o governo muito ancioso e esperançoso de uma possível ressureição de cidadãos que se levantariam do túmulo para participar do registo oficioso? ( com devido respeito aos mortos)", conforme Ekuikui.

Agora, sublinhou, actualizamos e registamos os vivos, para retirar os mortos, esse pode ser o argumento a ser usado para justificar, o que não cola claro, pois há documentos estatísticos e registo de óbitos que podem muito bem com base nisso subtrair pessoas não vivas.

Assim, Nelito Ekuikui acusou o governo de estar interessado a fazer uma confusão e ludibriar as pessoas propositadamente.

"Aí o ministro repete insistentemente, os cidadãos que completarem 18 anos de idade após à data das eleições, não poderão exercer o seu direito de voto, nem fazer parte do Ficheiro Informático dos Cidadãos Maiores, quero entender, houve um pequeno descuido e menores de idade que farão 18 só depois das eleições acabaram registados? Se sim, como isso aconteceu?", questionou.

No entanto, lembra que nesse processo do registo oficioso, só 12 países foram abrangidos, tendo o ministro alegado força do condicionalismo de ordem logística criado pela pandemia da COVID-19.

À isso considerou uma conversa para usar na creche, um argumento num período em que se verifica 50 milhões de dólares "torrados" passando nas fronteiras nas vestes de dinheiro falso. "Por favor começam a brincar bem."

Finalmente, observou que a falta de vontade política tem empurrado esse país no fundo do poço, pois não se compreende que de várias comunidades angolanas na diáspora, países como Cuba, Rússia, Estados Unidos e tantos outros, ficaram de fora. "Hó Santo Deus! lhes perdoa, estão desesperados."

Rate this item
(1 Vote)