Sábado, 08 de Mai de 2021
Follow Us

Quinta, 25 Março 2021 22:02

Rui Galiardo apresenta queixa crime contra Adalberto Costa Júnior

O Presidente da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, pode ser convocado a qualquer momento para responder na Justiça por ter posto em risco a vida do militante Rui Galiardo, durante as celebrações, no Uíge, dos 55 anos do partido.

O antigo assessor de Jonas Savimbi e militante da UNITA há mais de 40 anos recordou que a informação posta a circular pelo presidente do partido, naquele dia, na província do Uíge, segundo a qual faziase transportar de armas de fogo para o matar, por pouco colocou fim à sua vida, pois estava rodeado de militantes furiosos com a informação.

Temendo por alguma represália contra a sua vida, pois diz continuar a receber ameaças de morte de militantes da UNITA, Rui Galhardo Silva, deu entrada, ontem, na direcção-geral do Serviço de Investigação Criminal (SIC), no Kinaxixe, em Luanda, de uma queixa-crime contra Adalberto Costa Júnior, por tentativa de assassinato.

O militante, de 62 anos, escareceu que pretendia dar entrada da queixa na quarta-feira, mas ponderou, porque tinha esperança de ver sair da conferência de imprensa realizada, naquele dia, pela UNITA, um pedido de desculpa.

“Em relação à conferência de imprensa realizada pela UNITA, tenho a dizer que fiquei muito surpreso pela negativa, pois foi uma fuga para frente, em que Adalberto Costa Júnior nem sequer apareceu, quando o visado é ele”, realçou.

Rui Galhardo negou as acusações avançadas contra si naquela conferência de imprensa e recordou que as que ele fez foram contra Adalberto Costa Júnior e não contra a UNITA, razão pela qual diz não entender que a iniciativa para o processar esteja a partir do partido. “A UNITA não pode assumir os problemas pessoais do seu presidente”, considerou o militante, para quem isto não passa de “medidas dilatórias”.

“Como é que eu ia querer um documento que comprova um aborto sem uma vítima?”, questionou. “Eu tinha é que arranjar uma vítima e não um documento. A história está mal contada”, disse. A uma pergunta se tem provas de que Adalberto Costa Júnior é um pedófilo, como o acusou, na sua recente conferência de imprensa, Rui Galhardo, sem rodeios, respondeu: “a PGR vai ter as provas”.

Rui Galhardo garantiu que as denúncias feitas contra o presidente da UNITA não chegam sequer a dez por cento do que ainda há para depor contra ele. O ex-assessor de Joanas Savimbi pensa fazer outras revelações contra Adalberto Costa Júnior quando ele apresentar a queixa contra si.

“Ele que faça a queixa, para, depois, ver como é que são as coisas”, ameaçou o militante, que espera da acção movida ontem contra o presidente da UNITA uma condenação.

“Ninguém me vai tirar da UNITA”

Galhardo mostrou estar despreocupado com receios de que possa vir a ser expulso da UNITA, por estar a fazer denúncias contra o presidente do partido. “Ninguém me vai tirar de lá. A UNITA é de todos aqueles que se revêem nela. Não é do senhor Adalberto Costa Júnior”, afirmou.

Ressaltou que o lema difundido naquele partido segundo o qual “a UNITA é o Adalberto e este é a UNITA”, não corresponde à verdade. Considerou esta iniciativa o culto de personalidade, sublinhando que a mesma prática não foi, sequer, promovida por Jonas Savimbi. “Ele está a promover o culto de personalidade dentro da UNITA. Isto eu não aceito”, demarcou-se.

A advogada de Rui Galhardo esclareceu escusou-se a adiantar os passos subsequentes do processo, por razões de segredo de justiça. Manuela Mendes garantiu que vai chegar o momento em que vão poder pronunciar-se sobre os factos que pesam sobre Adalberto Costa Júnior.

A causídica referiu que, quando se move um determinado processo-crime contra alguém é porque há alusão de uma norma jurídica ou penal, em função dos factos ou comportamentos da pessoa.

“Se com toda a segurança cá viemos, é porque existem factos susceptíveis de recaírem em determinadas reacções penais sobre as pessoas, especificamente a Adalberto Costa Júnior”, garantiu a advogada, acrescentando estarem outras pessoas arroladas no processo.

Manuela Mendes explicou que a queixa-crime contra Adalberto Costa Júnior foi apresentada na direcção geral do Serviço de Investigação Criminal e não na PGR, como se havia avançado, por ser lá onde funciona a direcção nacional do SIC.

Depois deste passo, disse, o processo será movido para os departamentos competentes. Em função das imunidades de Adalberto Costa Júnior, vaticinou, o mesmo poderá ser encaminhado para a Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP). JA

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up