Quinta, 18 de Julho de 2024
Follow Us

Domingo, 07 Julho 2024 21:41

Falta de medicamentos e negligência “aceleram” morte nos hospitais de Angola

Alguns pacientes e familiares relataram à Lusa situações dramáticas no acesso aos serviços de saúde pública em Angola e afirmaram que negligência, mau atendimento, falta de medicamentos e de recursos humanos são responsáveis pelo “acelerar” das mortes hospitalares.

Muitos pacientes que acorrem aos hospitais públicos angolanos morrem, não pela doença, mas por falta de cuidados e da devida atenção dos técnicos de saúde, afirmaram alguns familiares de doentes, que pernoitam à entrada dos hospitais de Luanda.

A falta de medicamentos e meios médicos (luvas, algodão, fraldas, seringas e outros), de laboratórios para exames especializados e até de refeições para os pacientes obrigam dezenas de familiares a acamparem junto dos hospitais para garantirem “socorro e solidariedade” aos seus.

Maria Lopes, 41 anos, contou à Lusa que já perdeu mais de uma dezena de familiares diretos nos últimos 16 anos em hospitais públicos do país, não devido a doenças, “mas por conta do mau atendimento dos técnicos de saúde”.

“Hoje não temos essa segurança [nos hospitais], eu pelo menos não tenho”, disse a gestora que chegou ao Hospital do Prenda às primeiras horas do dia para visitar um irmão ali internado e até perto das 10:30 não tinha qualquer informação sobre o seu estado de saúde.

Sentada sobre cartões espalhados na calçada principal que dá acesso à unidade hospital, ladeada de dezenas de mulheres que ali passam a noite, expostas ao frio e outros riscos, Maria disse que a “falta de amor”, de comunicação e dedicação dos profissionais da saúde obriga os familiares a ficarem à porta dos hospitais durante largos dias.

“É mais fácil estar aqui, mais perto do meu irmão, dá-me tempo, por exemplo, se precisarem de alguma coisa, porque normalmente nos hospitais é assim, porque às vezes não tem dipirona [medicamento], às vezes não tem luvas e outras coisas”, disse, enquanto ao lado outras pessoas acenavam a cabeça em jeito de concordância.

Porque “nem sempre eles (médicos e/ou enfermeiros) dizem (que há carência de material), mas as vezes eles deixam de atender porque não querem pedir e a pessoa acaba morrendo. Para isso não acontecer nós ficamos aqui de prevenção, só por isso”, enfatizou.

Após contar o drama do sobrinho que morreu no ano passado numa unidade hospitalar pública em Viana, por não ter sido medicado durante três dias, e de outros que morreram em circunstâncias similares, Maria deplorou o acesso à saúde em Angola.

“É das piores, porque cada dia quando olho para as unidades hospitalares, hoje temos das melhores a serem inauguradas, com equipamentos de ponta, mas o que nos falta são recursos humanos (…). Vimos perdendo muitas vidas porque não há amor, não há amor à profissão e às pessoas”, lamentou.

Maria Inácio, de 52 anos, também se queixa, ela que tem a tia internada no Hospital do Prenda, há quase uma semana, período em que tem pernoitado nas imediações para atender a qualquer chamada dos familiares.

Contou que por vezes permitem que aceda à sala de internamento, momentos que usa para trocar fraldas da paciente, para lhe dar de comer e mesmo para comprar alguns dos medicamentos receitados.

“Temos que ficar mesmo aqui, mesmo no frio, estamos a dormir aqui desde domingo passado”, frisou.

Também agastado com o atendimento no Hospital do Prenda está Mahula Armindo, 39 anos, que, em finais de abril passado, partiu o braço direito.

Em busca de assistência dirigiu-se a este hospital às 22:00, mas apenas foi atendido às 02:00, sem que lhe fosse administrado qualquer analgésico para atenuar as intensas dores que sentia.

Mahula, funcionário de uma empresa de comunicação, aguarda há dois meses por uma nova consulta e continua com o braço engessado, lamentando a falta de informações que contribui para o agravar do estado de saúde de muitos pacientes.

“Vai ainda a questão da demora, só para marcar a primeira consulta eu já fiquei lá durante quatro horas à espera e no dia a consulta podes chegar lá as 07:00 e apenas saíres do hospital as 17:00 (…). Acho que temos hospitais bons, mas o pessoal é que não é bom”, atirou o paciente, que, como recurso, começou o tratamento numa clínica privada, onde diz ser atendido com humanidade.

À entrada principal da sede do Ministério da Saúde, na Avenida Amílcar Cabral, centro de Luanda, dezenas de cidadãos transformaram os passeios em dormitórios, o espaço que encontraram para se acomodar enquanto esperam por notícias dos seus familiares, internados no Hospital Josina Machel.

Esta unidade hospitalar, uma das maiores e mais antigas do país, recebe doentes de várias províncias, cujos familiares também relatam dificuldades para aceder à unidade hospitalar.

“Isso surge porque as pessoas lá dentro [do hospital] não têm uma melhor atenção para com os pacientes, porque pelo menos um doente estaria lá acompanhado de um familiar, mas isso não acontece e temos que estar fora e isso é mau”, disse à Lusa Sara Mariano.

A reformada, de 64 anos, sentada num dos passeios do conhecido prédio inacabado da Maianga, apontou para a necessidade de se melhorar o acesso à assistência médica e medicamentosa dos cidadãos angolanos.

“Falta muita coisa para melhorar, porque, por exemplo, a pessoa vai fazer a consulta e não tem medicamentos, tem de procurar fora do hospital e, nesse caso, muitos, estamos sem condições para comprar medicamentos, é complicado”, desabafou.

Até perto do meio-dia, mais de uma dezena de pessoas, entre homens e mulheres, preocupadas com a saúde dos seus entes, ainda repousavam em sono profundo por cima de papelões.

Luzia António Manuel, 32 anos, teve de acorrer à Maternidade Augusto Ngangula, distrito urbano da Ingombota, para acudir a irmã mais nova, grávida, que precisava fazer uma ecografia extra-hospitalar.

“Ficámos aqui porque os técnicos chamaram para fazer uma ecografia (...) e, então, tivemos de ir aqui no Bairro Operário, num consultório privado para poder fazer a ecografia”, explicou, referindo que tal movimentação pode colocar em perigo a vida da gestante e do respetivo bebé.

A Lusa tentou ainda contactar um funcionário, que se escusou a falar por falta de autorização, e a equipa médica em serviço no Ngangula, mas os efetivos da segurança não permitiram o acesso à maternidade.

Rate this item
(0 votes)