Segunda, 26 de Fevereiro de 2024
Follow Us

Sábado, 10 Fevereiro 2024 14:02

Camponeses realizam vigílias sábado e domingo contra expropriação expropriação de terrenos no Talatona

Os camponeses do Talatona, convocaram para este sábado, 10 e domingo, 11, vigílias como forma de protesto contra alegada ocupação das suas parcelas de terrenas, por supostos oficiais da Polícia Nacional (PN) e das Forças Armadas Angolanas (FAA), na zona do “11 de Novembro”, Distrito Urbano da Cidade Universitária, em Luanda.

O porta-voz dos camponeses, Daniel Neto, director-geral da empresa “Konda Marta”, que litiga com as altas patentes da corporação.

A vigília, segundo ele, visa igualmente chamar atenção da Administração Municipal do Talatona e do Governo Provincial de Luanda (GPL), sobre a necessidade de chamar as partes para um possível entendimento entre as camponesas e as forças de defesa e segurança.

“A vigília vai ser realizada no terreno localizado nas proximidades do campus universitários, no Camama, dentro do terreno reivindicado pelas camponesas”, revelou o também Tenente Coronel das Forças Armadas Angolanas (FAA), acrescentando que “não vamos sair do perímetro e será uma manifestação pacífica”.

A concentração que visa condenar, por outro lado, as mortes e torturas supostamente ocorridas no espaço em litígio por alegados agentes da Polícia Nacional, que para os camponeses “sempre agiram a mando de ordens superiores do comandante do Talatona e de Luanda”, vai ser de acordo com a organização, “dominada por momentos de orações, canções e palavras de ordem, em memórias de todas as vítimas das autoridades”.

Silêncio da justiça

As camponesas lamentam que, das várias queixas-crimes apresentadas às autoridades judiciais, nenhuma foi levada a julgamento devido às alegadas influências, que as pessoas visadas gozam junto do Serviço de Investigação Criminal (SIC) e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

No dias 6 de deste mês, o director-geral da empresa “Konda Marta”, Daniel Neto, foi notificado pelo Departamento de Consultoria e Inquérito da PGR, para que levasse todas as acusações e informações sobre o litígio fundiário que dura há anos na zona do “11 de Novembro”, em Luanda.

A audição a Daniel Neto resultou da queixa-crime apresentada pela Sociedade Konda Marta contra o antigo comandante da Polícia Nacional do Talatona, subcomissário Joaquim do Rosário, Tenente General, Rui Duarte, comandante da Região Militar de Luanda e o agente Sebastião Manuel António.

Rate this item
(1 Vote)