Segunda, 06 de Dezembro de 2021
Follow Us

Quinta, 25 Novembro 2021 22:23

A fábrica de marimbondos não faliu com a mudança de paradigma em 2017

Graça Campos, jornalista angolano e analista político, referindo-se da adjudicação, sem concurso público de emprestadas a mesmos beneficiários, entre outras questões ligadas à gestão da coisa pública, lembrou aos actores pela caça "de assaltantes do erário" que, a mudança de paradigma em 2017 não descontinuou o seu fabrico.

De acordo com Graça Campos, àqueles que, repentinamente, descobriram que a caça "aos maiores saqueadores do erário, que se encontram foragidos da justiça angolana" é uma boa forma de ocupação de tempo, é conveniente lembrar que a fábrica de marimbondos não faliu com a "mudança" de paradigma em 2017.

O analista político, afirmou então que, a adjudicação, sem concurso público, de empreitadas públicas a mesmos beneficiários, a sobrefacturação de preços das obras dos PIIM, a aquisição de vacinas anti-Covid pelo dobro ou triplo do preço no mercado internacional geram, nos dias de hoje, saqueadores do erário iguais aos que se encontram foragidos da justiça angolana.

E a propósito de justiça angolana, acrescentou, também é conveniente lembrar a esses súbitos caçadores, que no topo dela estão as mesmíssimas pessoas que, no tempo da outra senhora, negavam a existência de evidências e muito menos de práticas de corrupção em Angola.

"Agora que estão "reformados", portanto, com tempo disponível, frequentem os tribunais superiores para saberem por que razão o último julgamento foi de Manuel Rabelais, em Abril", apelou, realçando que não é por falta de "matéria prima" que os Tribunais arrastam os pés.

Onde andavam?

Para Graça, quem hoje evoca, invariavelmente, a sua condição de: "reformado" nas diatribes que despeja nas redes sociais, na pior das hipóteses estava no activo no tempo da outra senhora.

"A pergunta é: por que razão esses valentões de circunstância não levantaram a voz ao tempo em que o MPLA quase deu dignidade constitucional à roubalheira, ao cabritismo e à discriminação na repartição da riqueza nacional?", questionou.

Prosseguindo, questionou também, se os "maiores saqueadores do erário, que se encontram foragidos da justiça angolana", agora tão abominados, porque é moda fazê-lo, não são produto de um sistema injusto, que tratava os angolanos de forma desigual?

"Por quê se calaram os nossos actuais "reformados"?", questionou igualmente, Graça Campos.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up