Domingo, 16 de Mai de 2021
Follow Us

Sábado, 17 Abril 2021 10:27

O principal problema de João Lourenço é o povo que despertou do sono

É verdade que Adalberto da Costa Júnior, causa ao PR João Lourenço um perceptível desconforto. Também fica claro, que na história recente do MPLA, nunca o seu presidente esteve tão fragilizado como acontece na atualidade com o presidente da república João Lourenço.

A situação é de tal modo notável, que o MPLA decidiu de urgência chamar os profissionais journalists kilers of character of UNITA president, para em definitivo desconstruir a imagem do líder da UNITA, que vem ganhando o respeito e admiração da sociedade civil e da juventude em especial. Um dos formatadores de mentes chamado para realizar a vil desconstrução da imagem do presidente da UNITA, é nada mais que o conhecido jornalista calejado Ismael Mateus.

 O texto com o título (O PAÍS VIVE UM PERÍUDO DE TENSÃO POLITICA) da autoria de Ismael Mateus, foi o pontapé de saída e por assim dizer-se, é a prova provada do que vou dissertar aqui.

Ôh Ismael Mateus, assim também não!!!

 Não importa o quanto possa eu vir a ser criticado ou até mesmo crucificado, por emitir a minha opinião. O panorama desastroso que o país político-social exige de mim opinar construtivamente, hoje, a realidade do país já não se coaduna nem se compadece com as opiniões avulsas expressas pelos veículos de comunicação corporativo e pelos jornalistas afectos ao regime. Ismael Mateus escreveu um texto desqualificável, degradante e sem rigor jornalístico nenhum. Quando o jornalista afirma que o país vive um fenômeno de desconfiança política, ele falta com a verdade, o país passa por momentos horríveis de degradação social de causar arrepios até próprio ao diabo.

É inaceitável que o jornalista da craveira de Ismael Mateus, se junte aos esforços desenvolvidos pelo gabinete de informação e acção psicológica da presidência da república e do SINSE de Fernando Miala, para desconstruir a imagem e honorabilidade do Presidente da UNITA. Embora não tenham alcançado por completo os objetivos preconizados, essa intentona, além de ser vergonhosa, também foi perturbadora a todos os níveis.

Todos quantos acompanham a política doméstica angolana, já entenderam que existe uma dinâmica armada para denegrir e isolar o presidente eleito da UNITA, debalde. A militância, amigos e simpatizantes de ACJ e da UNITA, não aceitaram o abuso nem deixaram barato o atentado. O MPLA, quer a todo custo impor a UNITA uma presidente da sua escolha, que satisfaça a sua ambição de eternizar-se a qualquer preço no poder.

Aliás, o principal problema de João Lourenço, nem é Adalberto da Costa Júnior, o problema de João Lourenço e do MPLA, é o protagonismo entusiástico de sua excelência o povo, que despertou do sono do tempo e decidiu lutar contra o seu opressor de 45 anos. Por outro lado, a juventude é igualmente o grande calcanhar de Aquiles para João Lourenço. O país transformou-se, virou um arco-íris de fortes emoção, os jovens decidiram abraçar com firmeza e protagonismo a mudança, que força o país caminhar a passos largos rumo a real e verdadeira alternância de poder.

 Após a primeira fraude eleitoral em 1992, passados mais de mais de 32 anos e 19 anos após o assassinato do líder incontestável da UNITA, o MPLA, pela primeira vez tem um adversário competitivo, com vocação e desejo de ser o primeiro presidente democrático de todos os angolanos. Sem falsas modéstias, existe um fosso que diferencia o candidato escolhido de JES para presidir o país, e o resiliente presidente da UNITA Adalberto da Costa Júnior, que após uma renhida campanha no seio da Unita, tornou-se a grande figura incontornável da nossa política doméstica por mérito próprio.

Desde a eleição de ACJ, o presidente João Lourenço, distila raiva e ódios de estimação contra o líder do maior partido da oposição. É nesse preciso momento que surge o arauto escriba da verticalidade erudita do jornalismo político controlado, Ismael Mateus, enviado pelo MPLA para tentar barrar ACJ, e também tentar formatar a mente dos angolanos em luta contra o MPLA.

Ao referir-me ao camarada Ismael Mateus, vou centrar-me apenas e só no jornalista, nada pessoal, sequer o conheço e amigos não somos, pese embora a similaridade que existe entre a pessoa de Ismael Mateus e o jornalista, prefiro afastar-me da pessoalidade e dissertar apenas sobre o jornalista. O meu foco centra-se apenas e só no profissional, trata-se de um jornalista do regime, uma escolha de Ismael Mateus, o que significa não haver qualquer tipo pecado na sua escolha.

 Porém, essa questão não me é indiferente, custa-me ver inteligências viáveis promiscuírem-se e obstinarem-se em servir o inusitado poder corrompido e obsoleto, para em troca, receberem algumas benesses e/ou lugares cativos na administração pública dentre outras regalias. O jornalista do regime Ismael Mateus, tem salário como diretor da ENDIAMA onde trabalha, e também usufrui do salário e/ou de regalias financeiras como conselheiro do presidente do seu partido João Lourenço, além da frota de carros e outros bens, que usufrui por direito inerente das funções que exerce.

Falar do almoço em que o presidente da república vetou a presença do presidente da UNITA, mostrou como o PR transformou o país numa roça de café. O jornalista Ismael Mateus, descreveu inúmeros engodos em liberdade e depois deu-os para que os parcos cidadãos ainda incautos os consumissem, a liberdade com que Ismael Mateus escreveu foram nada mais nada menos que o cumprimento da vontade do senhor ordens superiores.

 Senão vejamos, qualquer jornalista do regime, de certo modo está limitado a urgência do regime, por outro lado, o jornalista do regime conhece o limite da sua liberdade de expressão, por isso, não precisa ser coagido, cortado e/ou tesourado pelo revisor que adjetiva a censura. No caso de Ismael Mateus, ele é o próprio sensor dele, digo que ele é a própria tesoura, por assim ser, ele mesmo se autocensura. Essa é a lei imponente da autocensura impositiva, que vigora no jornalismo Soft, fanático e sem solides intelectual. Esses jornalistas são chamados pomposamente de formatadores de consciências.

Não se pôde pensar jamais, que Ismael Mateus, tem uma visão destorcida da situação política real. O que se passa é que, Ismael Mateus é propriedade do regime, isso significa, que tem dono, assim, a liberdade de Ismael Mateus como jornalista está intrinsicamente comprometida e amarrada ao MPLA, a quem responde diretamente. Não lhe é permitido ir mais longe sob o risco de perder tudo quanto alcançou como figura mediática ao serviço do regime, como aconteceu com o brilhante filho do Huambo, dr Marcolino Moco.

Ismael Mateus escreveu que o PR não convidou nenhum presidente de partido, (MENTIRA DESLAVADA), no almoço esteve sim um presidente partidário, ou o Lucas N’Gonda, também já faz parte do bureau político do MPLA! Pelo que se sabe, N’Gonda ainda é presidente da moribunda FNLA.

 Foram tantas as leviandades e inverdade escritas no referido artigo, que não adianta sequer enumerá-los. Porém ficou patente a tentativa de manobrar a verdade e continuar a campanha acusatória e/ou difamatória contra o cidadão Adalberto da Costa Júnior. Camarada Ismael, possas, ACJ, é filho do Huambo nosso conterrâneo angolano, só para lhe informar, segundo estimativas da jovem política e ex deputada do MPLA Tchizé dos Santos, 70 a 80% dos Jovens apoiam e/ou se reveem em Adalberto da Costa Júnior. Isso poderá ser um problema para o camarada no day after the elections.

Desta vez o MPLA vai desconseguir realizar as tais maiorias artificiais provenientes das fraudes eleitorais, que tanto frustram os angolanos e prejudicam a evolução e desenvolvimento econômico do país. Desta vez, o MPLA vai ter de se confrontar primeiramente com o povo na sua maioria descontentes e ressabiados, em segundo, vai ter que passar por cima de uma UNITA motivada, forte, coesa e preparada para o combate de igual por igual.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up