Segunda, 25 de Janeiro de 2021
Follow Us

Quinta, 07 Janeiro 2021 13:12

O que o mundo vai esperar do Eleito- Presidente Americano sobre a China?

O sucesso da política externa do Joe Biden dependerá muito de como ele vai lidar com o desafio da China. Depois de ser declarado como o presidente eleito dos Estados Unidos de América, Joe Biden, um descendente de estabelecimento da política externa americana, previsivelmente prometeu restaurar a liderança global de seu país e seu compromisso com uma ordem internacional liberal.

Em um repúdio inequívoco ao neo-isolacionismo "América primeiro" do governo Trump, o novo presidente dos EUA prometeu "liderar o mundo, não recuar dele".

Ostentando a maior marinha do mundo e a segunda maior economia por enquanto, a China representa o principal desafio para as esperanças do Joe Biden de "reafirmar o papel da América no mundo". O sucesso de sua política externa, portanto, dependerá em grande parte de como ele lidar com o desafio da China.

Com o Presidente, Joe Biden não terá apenas o objetivo de evitar que a fermentadora "Nova Guerra Fria" entre os EUA e a China se transforme em um conflito global catastrófico, mas também manterá sob controle o desejo da potência asiática de aumentar a influência regional e global.

Para atingir esses objetivos duplos, seu governo precisará envolver Pequim em áreas de interesse global, como comércio, mudança climática e saúde pública, ao mesmo tempo em que assume uma posição estratégica firme contra suas agressões aos vizinhos menores e às populações minoritárias internas.

Loucura estratégica

Há muito tempo que Washington vem entendendo mal a China. Nas últimas décadas, até a ascensão inesperada de Donald Trump, ao poder, os presidentes republicanos e democratas tentaram ingenuamente tomar as ambições hegemônicas da China e transformá-la em um poder mais democrático, aberto e amigável por meio de uma combinação de envolvimento diplomático e extensa interdependência econômica.

Em resposta, a liderança autoritária da China não só desafiou a ordem liderada pelos EUA, mas também alavancou a prosperidade recém-descoberta do país para centralizar ainda mais o poder, esmagar a dissidência interna e externa, construir um exército formidável para flexionar seus músculos em águas vizinhas e lançar programas transcontinentais de investimento em infraestrutura que levaram inúmeras nações à armadilha da dívida.

Embora, seja conhecido por sua perspicácia analítica, como seus antecessores, o president, Barack Obama, também se agarrou à ilusão de que o envolvimento direto e a diplomacia pessoal alterariam o comportamento da China.

Sua abordagem teimosamente avessava ao risco e excessivamente metódica da política externa, no entanto, provou-se muito previsível e sem imaginação para Pequim, e ele acabou inadvertidamente pavimentando o caminho para a China seguir em frente com seus planos de reformular a ordem global de acordo com seus interesses durante seus oito anos no poder.

O governo de Obama falhou repetidamente em proteger seus aliados na região da Ásia-Pacífico contra as agressões da China, mais notoriamente em 2012 durante o impasse de meses entre Manila e Pequim sobre o Scarborough Shoal.

Também falhou em tomar medidas significativas um ano depois, quando a China deu início a um projecto de geoengenharia sem precedentes no contestado mar do Sul da China, transformando rapidamente rochas e atóis em um enorme complexo militar.

Com a eleição de Trump como presidente em 2016, a política externa dos EUA em relação à China mudou significativamente - mas não necessariamente para melhor.

Prometendo "fazer América melhor outra vez", Trump abraçou uma abordagem de confronto em relação a Pequim, colocando os EUA e a China como antagonistas em uma nova Guerra Fria e encerrando a política de engajamento com décadas de idade e amplamente ineficaz de Washington em relação à China.

Mas enquanto o excesso de confiança de Obama no engajamento às custas da dissuasão firme encorajou a China, o comprometimento de seu sucessor populista com a postura chauvinista, guerras comerciais e confrontos navais em águas asiáticas também levaram Pequim a dobrar suas políticas predatórias. Além disso, o unilateralismo geopolítico de Trump, a retórica incendiária e o protecionismo comercial alienaram os principais aliados dos EUA na Europa e além, fortalecendo a mão de Pequim contra Washington na arena internacional.

Em suma, nem Trump, nem qualquer um de seus antecessores recentes conseguiram propor uma política eficaz para a China que pudesse manter essa potência global crescente sob controle, ao mesmo tempo que mantinha a possibilidade de um grande conflito sob controle.

Isso significa que, se ele quiser ter sucesso contra Pequim, o novo presidente americano terá que abandonar as políticas desacreditadas para a China não apenas de seu antecessor imediato, Donald Trump, mas também de seu ex-chefe, Barack Obama. Em vez disso, Joe Biden, precisará adotar uma abordagem em relação a este poderoso rival que combina convicção estratégica com sutileza diplomática.

Desenhar a linha

No entanto, provavelmente haverá um certo nível de continuidade entre as políticas chinesas dos governos Trump e Biden. Afinal, agora existe um consenso bipartidário em Washington sobre a necessidade de “ser duro” com Pequim.

O próprio Joe Biden, deixou claro que não busca mais assumir uma postura de “empatia estratégica” em relação à China numa só posição.

Por: Temba Museta

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up