Quarta, 08 de Abril de 2020
Follow Us

Quinta, 19 Março 2020 13:57

Coronavírus: Angola com sete novos casos suspeitos

Depois dos últimos cinco cidadãos testados negativos, na semana passada, entre angolanos e outras nacionalidades, Angola volta a deparar-se com sete novos casos suspeitos, cujos resultados dos exames serão anunciados oportunamente.

A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, disse na tarde desta quinta-feira, 19 de março, em Cabinda, que existem sete casos suspeitos do novo coronavírus.

Silvia Lutucuta não especificou em que zonas do país se encontram internadas as pessoas suspeitas de terem a doença.

A ministra disse, no entanto, que há uma pessoa em Cabinda, que se encontra em quarentena no campo de Malongo.

Lutucuta garantiu ainda que os resultados definitivos das amostras recolhidas nos sete casos suspeitos serão reveladas neste fim-de-semana.

“Já rastreamos mais de 150 amostras e até agora não temos nenhum caso positivo”, disse a ministra que revelou ainda que os testes foram feitos a pessoa de “várias localidades desde o Malongo e Soyo e de várias pessoas que têm viajado”.

A ministra esclareceu que os casos suspeitos e de rastreamento “são de todo o país”.

Campo petrolífero do Malongo isolado após caso suspeito de Coronavírus

O campo petrolifero do Malongo a cerca de nove quilómetros do centro da capital do enclave de Cabinda foi isolado devido a um caso suspeito do Coronavírus, disseram as autoridades.

Desconhece-se a identidade ou nacionalidade dessa pessoa cujos testes foram enviados a Luanda para análise

A comissão multisectorial formada para fazer face à pandemia covocou uma reunião de emergência com todas as empresas que operam no campo petrolífero para anunciar restriçõe impostas nas entradas e saídas da província

Alberto Paca vice governador para o sector social e político pede às petroliferas a re organização do sistema de trabalho para se impedir a propagação do virus na zona petrolíferas

Paca disse que nenhum trabalhador pode entrar ou saír do Malongo nos próximos 15 dias enquanto comandante provincial da polícia Dominogs e Costa disse que ninguém pode entrar ou saír de todo o território de Cabinda.

Cabinda faz fronteiras com a República Democrática do Congo e com a República do Congo onde já se registaram casos da doença C/VOA

Rate this item
(3 votes)

Log in or Sign up