Quarta, 27 de Mai de 2020
Follow Us

Quinta, 02 Abril 2020 14:36

Luanda: Escassez de gás doméstico eleva preço do produto no mercado

A botija de gás doméstico está a ser vendida, em algumas zonas da cidade de Luanda, a 3.500 mil kwanzas contra os anteriores 1.200 kz. A subida, segundo algumas pessoas, deve-se à procura, desde que foi anunciado o Estado de Emergência.

Pelas ruas, há várias pessoas com botija vazias de gás à cabeça à procura do produto.  Nas agências de venda, observou-se filas enormes, que podem significar uma certa precipitação da população, uma vez que a Sonangol garantiu trabalhar ininterruptamente para que não haja ruptura no stock.

Agentes revendedores confirmaram à reportagem do Jornal de Angola que a escassez do produto no mercado e, consequentemente, o aumento do preço deve-se à procura. Dizem, também, que boa parte dos clientes compram mais do que uma botija a fim de vendê-las a preço especulativo.

Para prevenir eventuais especulações, alguns agentes tencionam apenas vender uma botija de gás cada cliente, mas receiam que a medida pode não resultar, porque uma mesma pessoa pode comprar botija a um revendedor e vendê-la a outro.

Miguel Caculo, gerente de uma agência de gás no bairro Hoji-ya-Henda, município do Cazenga, em Luanda, disse que teve de aguardar 11 dias para receber o gás no estabelecimento. Acrescentou que, à medida que o tempo foi passando a procura era maior, o que originou um aglomerado de pessoas junto à agência.

Apenas, segunda-feira, pelas 10horas, receberam o gás de cozinha. Uma garrafa de seis kg estava a ser comercializada a 700 kwanzas, de 12, a 1.500, de 51 a 5.600. Na agência “Casa Tio Chico”, na zona do São Paulo, uma garrafa de 12 kg era vendida a 3.500. O gerente, que não quis identificar-se, reconheceu que os preços estão altos, afirmando que isso se deveu à procura e por ter recebido o produto tardiamente. O gerente da “Casa do Tio Chico” diz ter adquirido o gás a 2.800 kwanzas, na agência da Vila Alice. Para ele como quem compra espera ter lucro, decidiu comercializar a 3.500 kwanzas.

Mendes André disse que o gás constitui um problema nos dias de hoje, argumentando que mesmo nos postos de combustível da capital, onde habitualmente adquiria, não há. “Tive de me deslocar à “Casa Tio Chico” para adquirir o produto a um preço que considero especulativo”.

“Realmente está difícil. Tive de andar pelas bombas de combustível e não havia gás. Apenas encontrei aqui. Há agências que estão a vender a botija de 12 kg a quatro mil kwanzas”, lamentou, mostrando-se esperançado que, a seu tempo, “as autoridades tomem conta da situação, punindo os oportunistas”.

Na agência da Vila Alice, na rua Eugénio de Castro, a fila era enorme. Houvepessoas que pernoitaram no local para adquirirem o produto. Branca Simão, uma das funcionárias da agência, admitiu que há falta do produto no mercado e que nos últimos tempos têm recebido poucas quantidades, daí a dificuldade de dar resposta à procura.

A funcionária da agência disse que os clientes continuam a fluir ao local e por dia são comercializados cerca de 60 garrafas, que considera muito poucas, atendendo à demanda.

A falta de gás de cozinha preocupa as pessoas. Há cerca de 15 dias que se observa a falta dele, particularmente as garrafas de 12 kg. Tal situação tem provocado com que os agentes revendedores alterem os preços.

Carolina Fernandes, 38 anos, considera absurdo a atitude dos agentes, muitos dos quais aproveitam o período de quarentena para facturarem, quando a lei diz o contrário. Admitiu que os casos são mais frequentes nos bairros periféricos , onde o preço da botija está a disparar a cada dia, por serem locais que concentram grande número de pessoas.

Sonangol tranquiliza população

Sonangol anunciou, na sexta-feira passada, 27, que iniciou a fazer o reabastecimento dos postos de venda de gás, face ao aumento da procura do produto no mercado, principalmente em Luanda, onde continuam a registar enchentes em vários pontos.

Citado pela Angop, o director do gabinete de Comunicação e Imagem da Sonangol, Dionísio Rocha, garantiu não haver falta de gás de cozinha no país, sublin hando que mais botijas serão postas em circulação.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up