Segunda, 04 de Março de 2024
Follow Us

Domingo, 27 Agosto 2023 19:15

Acordo de mobilidade entre CPLP criou expectativas que é preciso cumprir - PR Angola

O presidente cessante da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), o angolano João Lourenço, afirmou hoje que o acordo de mobilidade, que entrou em vigor em janeiro deste ano, criou expectativas nas populações a que os governantes devem corresponder.

"Foi criada uma grande expectativa nas nossas populações com o anúncio da aprovação do acordo sobre mobilidade na CPLP, mas a realidade está ainda longe de corresponder à vontade expressa, situação que nos compete a nós corrigir", afirmou João Lourenço, no seu discurso de abertura dos trabalhos da 14.ª cimeira da organização, a decorrer hoje em São Tomé e Príncipe.

"Somos uma associação de países e povos com muitos aspetos em comum, que não se circunscrevem apenas à língua e que se estendem mesmo à nossa maneira de estar e de olhar para o mundo", afirmou, considerando que "estes fatores convergentes devem ser potenciados para eliminar as barreiras ainda existentes na prática e que dificultam a cooperação económica entre os países".

Por isso, a organização necessita de "recursos financeiros e materiais" que possibilite um "espírito de verdadeira irmandade de Estados".

"Isso só será possível se conseguirmos de facto assegurar uma mais fácil mobilidade no espaço CPLP, de forma legal, por via da supressão e simplificação dos processos de concessão de vistos de entrada nos nossos países", acrescentou o governante angolano, que nos últimos dois anos ocupou a presidência rotativa da CPLP, e que é assumida hoje pelo seu homólogo são-tomense, Carlos Vila Nova.

Hoje, a CPLP é uma “organização atrativa pelos princípios justos que a regem”, afirmou João Lourenço, que destacou o esforço feito pela presidência angolana na criação de um novo pilar ligado à cooperação económica, tendo sido criada uma nova direção de Assuntos Económicos e Empresariais.

“Temos pela frente muito trabalho para realizar para melhorarmos o funcionamento da organização” de modo a ter efeitos na “melhoria das condições gerais de vida das nossas populações”, considerou o chefe de Estado angolano, salientando que a organização procura adaptar-se aos novos desafios.

“Os cidadãos dos nossos respetivos países têm grandes e legitimas expectativas relativamente ao que podem esperar de positivo da CPLP, o que nos obriga a retificar, sempre que se justifique, o rumo que temos vindo a seguir para alcançarmos mais satisfatoriamente os nossos objetivos”, disse ainda, no seu discurso.

A CPLP, que integra Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, realiza hoje a 14.ª conferência de chefes de Estado e de Governo, em São Tomé e Príncipe, sob o lema "Juventude e Sustentabilidade".

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Domingo, 27 Agosto 2023 19:32