Segunda, 30 de Janeiro de 2023
Follow Us
Destaques

Destaques (95)

O secretário para a Informação e Propaganda do MPLA (no poder) pediu hoje às autoridades judiciais angolanas que responsabilizem criminalmente a UNITA (oposição), por apresentar “documentos falsificados” nas suas alegações de contencioso eleitoral junto do Tribunal Constitucional (TC).

A oposição angolana manifestou hoje “inquietação” face à marcação de datas para investidura do Presidente da República sem validação dos resultados eleitorais e anunciou a criação de um grupo de trabalho para convocar manifestações que expressem “a repulsa” dos eleitores.

O Tribunal Constitucional (TC) de Angola negou hoje provimento ao recurso apresentado pela coligação CASA-CE (oposição angolana) relativo aos resultados finais das eleições e manteve que a votação na coligação foi insuficiente para eleger um deputado.

A UNITA apontou hoje discrepâncias de mais de 500 mil votos nas eleições angolanas e afirmou que 347 mil foram subtraídos ao maior partido da oposição, alterando, a seu favor, os resultados anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNU).

O Presidente do MPLA, João Lourenço, disse este domingo, em Luanda, que aguarda “serenamente” pela decisão do Tribunal Constitucional (TC), sobre os resultados definitivos das eleições gerais de 24 de Agosto.

Dois partidos da oposição, UNITA e CASA-CE, apresentaram recursos relativos ao processo eleitoral junto do Tribunal Constitucional (TC), nenhuma delas relativo à anulação de eleições, informou hoje a instituição.

O líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) prometeu esta noite que não vai abandonar quem votou no partido e reafirmou que não reconhece os resultados eleitorais oficiais de 24 de agosto.

A missão de observação eleitoral do Observatório Eleitoral Angolano (Obea) considerou hoje que as “insuficiências” registadas na preparação do ato de votação e a não afixação das listas de eleitores “comprometeram a transparência” das eleições de 24 de agosto.

A diplomacia da União Europeia (UE) saudou hoje o “ambiente pacífico” das eleições em Angola, que deram vitória ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), mas pediu “todos esforços possíveis” às autoridades eleitorais para responder à contestação.

O Governo norte-americano apelou hoje aos angolanos para que “se expressem pacificamente” e instou a que “quaisquer reclamações” relativas às eleições de 24 de agosto sejam resolvidas ao abrigo da lei.

Página 3 de 7