Sexta, 14 de Junho de 2024
Follow Us

Quinta, 06 Junho 2024 14:45

Embaixada francesa em Luanda faz doação de equipamentos de segurança marítima a pescadores da APASIL

A Embaixadora da França em Angola, Sophie Aubert, visitou a APASIL, no dia 4 de junho, na Ilha de Luanda, e se reuniu com a direcção da associação APASIL, numa iniciativa que faz parte da cooperação entre esta organização e a Embaixada da França em Luanda, visando melhorar a segurança dos pescadores da região.

De acordo com a embaixadora Sophie Aubert, em entrevista exclusiva ao Angola24horas, a visita à APASIL visou a finalização de uma doação feita no ano passado, pela Marinha de Guerra francesa, na ocasião da escala do Comandante Birot em 20 de maio, uma doação composta de kits de primeiros socorros para poder salvar vidas.

Endereçada à APASIL (Associação de Pesca Artesanal, Semi-industrial e Industrial de Luanda) para os presidentes das cooperativas de pescas em Luanda, a oferta é uma resposta ao tema da segurança marítima, um facto que chama especial atenção à embaixada francesa.

Segundo a embaixadora Sophie, o tema da segurança marítima é de extrema importância na luta contra a pesca ilegal, pirataria marítima e também salvar vidas.

A título de exemplo, sobre a utilização destes meios para salvar vidas, comentou "É muito importante para salvar vidas, como foi feito quando o comandante veio a Luanda, encontrou um barco com 7 pescadores angolanos e salvou eles através de equipamentos e acompanhamento até à costa", considerou.

Adiantou ainda que a operação que foi feita junto da APASIL, serve, primeiro para ajudar os pescadores, conhecer sua realidade e as suas necessidades para, nas próximas oportunidades estar a altura de outras doações.

Durante o encontro da associação com a embaixada, vários associados queixaram dos grandes riscos que os pescadores enfrentam no alto mar, entre os quais, os arrastões de até embarcações estrangeiras. “Partem tudo e até chegam a matar pescadores”, lamentou um dos intervenientes.

Também ficou sabido que, nas primeiras sete (7) milhas já não tem peixes e que as áreas mais longínquas apresentam, entretanto, o maior risco, daí a necessidade de utilização de equipamentos de ponta. Destaque para arrastões e presença de combustível.

Sobre este facto a embaixadora referiu que há uma cooperativa da Guiné, uma organização internacional denominada "arquitetura de Yaoundé” que inclui vários países do litoral da região, como Angola e outros. “Nós como país marítimo estamos de maneira regular aqui também para cooperar e fazer exercícios através das marinhas de guerra, uma prática eficaz quando se trata de salvar vidas", declarou.

Acrescentou que, esta cooperação explica ao detalhe por que é que estava em Angola o Navio do comandante Birot e, uma demonstração da utilidade desta cooperação de resgate aos pescadores angolanos graças a esta acção conjunta entre todas marinhas que trabalham para salvar vidas.

Finalmente, a diplomata francesa realçou que sua visita, em primeira instância, consistiu em conhecer as cooperativas e colher o máximo de desafios dos pescadores para finalizar esta doação, ficando o compromisso de tudo fazer quando o assunto for salvar vidas.

No entanto, Francisca Pereira Chimina, vice-presidente para área da pesca artesanal na APASIL, disse que o gesto da embaixada da França em Angola simboliza muito e é muito importante, visto que a instituição mostrou preocupação em ajudar os pescadores da pesca artesanal. “Nos faz sentir unidos, sabendo que há alguém que pode nos apoiar”, afirmou.

Salientar que a referida associação controla 250 cooperativas, mas neste acto apenas 50 estiveram presentes. “O kit fornecido só é suficiente para essas 50 cooperativas. Então, para a próxima, temos certeza de que haverá mais”, disse.

Rate this item
(0 votes)