Sábado, 21 de Mai de 2022
Follow Us

Sexta, 10 Dezembro 2021 00:33

EUA dizem que Isabel dos Santos está envolvida em corrupção e impõem restrições de visto

O executivo de Joe Biden, presidente dos EUA, diz que Isabel dos Santos esteve envolvida "em corrupção significativa por meio da apropriação indevidas de fundos públicos para benefício pessoal".

O Departamento de Estados dos EUA divulgou esta quinta-feira uma lista de pessoas que considera responsáveis por atos de corrupção que “desrespeitam os padrões internacionais e minam a democracia e o Estado de Direito” na qual consta Isabel dos Santos, antiga líder da Sonangol e filha do ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. Como consequência, os EUA afirmam que vão impor restrições ao visto de Isabel dos Santos podendo impedir a entrada da empresária no país.

No comunicado assinado por Antony J. Blinken, secretário de Estado dos EUA, é referido que Isabel dos Santos esteve envolvida “em corrupção significativa por meio da apropriação indevida de fundos públicos para seu benefício pessoal”.

Esta quinta-feira, o país já tinha anunciado sanções financeiras a Leopoldino Fragoso do Nascimento Dino e Manuel Hélder Vieira Dias Júnior Kopelipa através do Departamento do Tesouro dos EUA. Os dois antigos dirigentes do governo angolano constam também desta lista do Departamento de Estado.

Desde 2017 que Isabel dos Santos vive no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. No final de 2019, a empresária dizia ao Observador que não voltava a Angola — país onde enfrenta várias acusações por negócios feitos quando o pai estava na liderança e pela sua passagem pela presidência da Sonangol — por considerar que não seria seguro.

Na lista de personalidades internacionais na mira das autoridades americanas por ligações a corrupção nos seus países estão também nomes como Carlos Julián Bermeo Casas, um antigo procurador colombiano que os EUA acusam de ter aceitado subornos, Manuel Víctor Martínez Olivet, antigo diretor de saúde na Guatemala, ou Oleksandr Tupytskyi, ex-juiz líder do tribunal constitucional da Ucrânia.

Rate this item
(1 Vote)