Sexta, 18 de Junho de 2021
Follow Us

Domingo, 02 Mai 2021 11:27

Conheça Maria Pongue, a jovem angolana que lidera uma incubadora da ONU no Brasil

O sonho de estudar no estrangeiro levou a jovem angolana Maria Pongue ao Brasil, mas foi a sua chegada à presidência de uma incubadora das Nações Unidas que lhe deu ânimo para continuar no país, cujo racismo a marcou.

As telenovelas brasileiras, com a presença de muitos negros no pequeno ecrã, fizeram Maria acreditar que a sua experiência em solo brasileiro se aproximaria desse cenário. Mas a realidade foi mais dura do que a ficção, e a chegada de Maria ao sul do Brasil, em 2013, foi acompanhada por um sentimento de discriminação.

"Enfrentei alguns entraves. Foi complicado, nunca antes tinha visto tantos brancos de uma só vez, principalmente como aconteceu no sul do Brasil. Achava que seria como aquilo que vemos na televisão, com pretos misturados com brancos, mas, na minha turma, eu era a única negra. Foi muito difícil", admitiu a jovem de 27 anos à agência Lusa.

"Teve ainda a questão do sotaque. Tenho um sotaque mais inclinado para o português de Portugal e havia algumas palavras consideradas pejorativas para o povo brasileiro, mas que para mim eram bem normais. Isso complicou muito também", lamentou.

Os episódios de racismo foram-se sucedendo ao longo dos anos, quer por ser uma mulher negra, quer por ser estrangeira.

"Como negra, sinto que tenho de dar sempre mais do que é pedido e quando erro, tudo aquilo que fiz de bom é esquecido. Ao invés de realçarem a incompetência daquele ato, colocam tudo na pessoa, e eu vivi isso. Também passei pela situação de entrar num autocarro, sentar-me ao lado de alguém, e a pessoa simplesmente levantar-se e ir para o outro lado", contou.

Na escola não foi diferente e sentiu, em muitas ocasiões, que não tinha amigos.

"Olhava para essas situações e achava que não era normal, mas quando fui ler e entender a estrutura social do local onde eu vivia, soube que era tudo racismo", relatou a jovem, que vive em Florianópolis, capital estadual de Santa Catarina, no sul do Brasil, região que concentrou muitos imigrantes europeus e onde, atualmente, quase 74% da população se considera branca

Ao preconceito juntou-se a morte do pai, e Maria Pongue foi sentindo-se cada vez mais desmotivada a permanecer no país, até que um líder religioso a incentivou a participar em eventos da Câmara Júnior Internacional (JCI, na sigla em inglês), uma organização não-governamental presente em mais de 120 países e parceira da Organização das Nações Unidas (ONU), Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura (Unesco), entre outras instituições internacionais.

A jovem angolana juntou-se assim à JCI-Florinópolis como voluntária, em 2018, para no ano seguinte ser cotada para presidente, cargo que assumiu em 2020, numa trajetória ascendente que a encheu de garra e orgulho.

Sobre o trabalho que a JCI desenvolve, Maria Pongue frisou que o foco é "transformar um jovem comum num cidadão ativo, e depois num líder".

"Trabalhamos com liderança de jovens, ou seja, trabalhamos com projetos que visem melhorar uma certa comunidade, voltado para o empreendedorismo social, educação ambiental, igualdade de género e tudo o que tenha a ver com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Olhamos para uma certa comunidade, vemos as suas dificuldades e montamos uma solução. Procuramos jovens voluntários que queiram trabalhar para se desenvolver", disse.

Favelas, escolas públicas, cadeias e igrejas são alguns dos locais apoiados pela JCI, através de doações, capacitações, projetos sociais, vocacionais e ambientais.

O facto de ter integrado esta organização e de rapidamente ter ascendido de cargo fez a angolana de 27 anos deixar de lado a ideia de sair do Brasil e apostar nessa progressão de carreira que já a levou a ser convidada para várias conferências e projetos da ONU.

"Sempre levo amor, que para mim é tudo. O lema da JCI é: 'servir a humanidade é a melhor obra de uma vida' e eu quero servir mais e levar esse ideal a outras pessoas, porque nos próximos tempos as coisas não serão fáceis", afirmou a jovem, que deixou o cargo de presidente da JCI-Florinópolis em março deste ano para ocupar a assessoria legar da organização.

Contudo, apesar de permanecer no Brasil, Maria deseja que a visão dos brasileiros mude e que se eduquem melhor, de forma a expandirem os seus conhecimentos sobre a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), organização que acredita ser praticamente desconhecida no país sul-americano.

"Acho que há muita ignorância. Às vezes perguntava-me se aqui, no Brasil, se estudava geografia. Em Angola aprendemos que há vários países que falam português, e eu perguntava-me o que é que os brasileiros estudam na escola a nível de geografia e história sobre a colonização em si", indicou.

"Existem doutorados que não sabem que em Angola se fala português, que não sabem que se fala português em mais de um país, desconhecem essa conexão da CPLP. Então, acho que se precisa de intensificar esse conhecimento, desde crianças até jovens e adultos", concluiu Maria Pongue, em entrevista à Lusa.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up