Sexta, 14 de Mai de 2021
Follow Us

Terça, 15 Dezembro 2020 09:43

Activistas e políticos angolanos dizem que não se pode dissociar corruptos do MPLA

Para o reverendo Elias Isaac, foi o partido no poder em Angola que permitiu que os seus membros se tornassem corruptos.

“A corrupção e a gatunice saíram de dentro do MPLA”, defendeu aquele activista social, enquanto o deputado pela CASA-CE Manuel Fernandes diz que o Presidente João Lourenço não pode apontar os outros membros do MPLA de terem cometido actos de corrupção porque ele próprio ocupou cargos de relevo durante o consulado de José Eduardo dos Santos e “sabia o que se estava a passar”.

Por seu lado, no entender do académico João Lukombo Nzatuzola, a corrupção não é um fenómeno novo em Angola, tendo já sido reconhecido pelo antigo Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos.

Lukombo diz que o que falta é a coragem do partido governante para “cortar o mal pela raíz”.

Lourenço reitera combate à corrupção

Durante uma reunião da cúpula do MPLA, o Presidente João Lourenço disse que o país tinha agora “uma melhor apreciação da gravidade” da corrupção e que o seu partido “não tem de que se envergonhar” na luta contra este fenómeno.

Contudo, reconheceu que, 18 anos depois do fim do conflito armado em Angola, desenvolveu-se “um outro constrangimento tão prejudicial para o país quanto a guerra, que tomou de assalto os cofres do Estado” e parte relevante da economia: a corrupção.

“O mérito do MPLA consiste no facto de, enquanto partido governante, ter orientado o Executivo a encetar esta cruzada de luta contra a corrupção, mesmo sabendo do presumível envolvimento de militantes e dirigentes seus nos mais diferentes escalões da hierarquia partidária”, admitiu Lourenço, aplaudindo a coragem das “vozes discordantes da sociedade civil”, que condenam este problema há vários anos. VOA

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up