Sábado, 22 de Janeiro de 2022
Follow Us

Domingo, 17 Novembro 2013 21:41

Um apelo recomendável

Há dias, um político angolano da oposição fez apelos relevantes para que os angolanos reforcem a unidade e promovam a reconciliação nacional.

É patriótico e encorajador aconselhar a nova geração a participar activamente nas tarefas de reconstrução e desenvolvimento do país.

Não é todos os dias que ouvimos de sectores que fazem oposição política ao Governo palavras que encorajem os angolanos a dedicar-se mais aos factores que os unem em detrimento daqueles que os dividem.

Trata-se, por isso, de um apelo recomendável na medida em que fazer oposição pressupõe também e sempre colocar os interesses de Angola acima dos de interesses de natureza partidária e ideológica. Mas também é verdade que tais apelos não constituem nada de novo se comparados às políticas e resultados das estratégias seguidas pelo Executivo desde ao alcance da paz.  Para um país como o nosso, em que se efectiva a consolidação da paz e da estabilidade, é fundamental que todos os angolanos adoptem o mesmo discurso quando se trata de salvaguardar aqueles dois factores que condicionam o progresso e desenvolvimento.

Todas as iniciativas da governação fundamentam-se no artigo primeiro da Constituição, “Angola é uma República soberana e independente, baseada na dignidade da pessoa humana e na vontade do povo angolano, que tem como objectivo fundamental a construção de uma sociedade livre, justa, democrática, solidária, de paz, igualdade e progresso social”.

Temos um país em reconstrução, onde os seus filhos e filhas se empenham para, tal como prevê a Constituição da República, transformá-lo num lugar bom para se viver. E não há dúvidas de que estamos a caminhar gradualmente na direcção certa para a efectivação desse desiderato. Temos rumo com as políticas criadas pelo Executivo.

Nunca é demais referir que a ferramenta número um para alcançarmos esta aspiração passa pelo trabalho e empenho, acompanhado das condições criadas em todo o país para que Angola cresça e se desenvolva para melhor redistribuir. Apenas com o trabalho de cada angolano vamos poder criar riqueza suficiente para fazer crescer cada agregado familiar e redistribuir de forma equitativa.

 O Executivo trabalha para que as aspirações elementares das populações se tornem uma realidade em todo o país com os programas de emprego, de construção de casas, com o fomento no abastecimento de água, energia eléctrica, etc.

Atendendo à experiência do conflito armado, os angolanos têm promovido positivamente os factores da sã convivência, fraternidade e solidariedade. Numa altura em que Angola comemora 38 anos de Independência Nacional e 11 de paz, os esforços para a preservação dos ganhos proporcionados pela paz e estabilidade têm sido palpáveis.

Passado pouco mais de uma década, o número de realizações em todo o país demonstra que os angolanos não pararam. Pelo contrário, conseguiram superar etapas importantes que cimentam, hoje, o crescimento sustentado do país. A consolidação das instituições democráticas, a abertura para o diálogo e concertação, bem como a promoção da tolerância têm sido uma realidade em todo o país.

Precisamos de enfatizar e fazer da prática diária um reflexo do contexto em que o país vive, caracterizado por políticas inclusivas levadas a efeito pelo Executivo no sentido de todos os angolanos participarem do processo de reconstrução de Angola.

Os passos dados para proporcionar melhores oportunidades para os jovens, assegurar o primeiro emprego, reformar a segurança social, promover a paridade no género demonstram o firme compromisso da governação na concretização dos anseios das populações. É verdade que ainda subsistem muitos desafios que, como se sabe, se estendem a todos os angolanos que pretendam ver o país continuar a crescer.

O contributo de todos, ali onde se encontram e independentemente das suas opções políticas e crenças religiosas, é sempre bem-vindo. Encaramos como relevante a exortação aos jovens para que se engajem na participação nas tarefas de reconstrução e desenvolvimento do país. Contrariamente aos políticos que preferem transformar os jovens em armas de arremesso contra a governação, valorizamos os que incentivam os jovens a contarem consigo mesmos.

Acreditamos que muitas das soluções para os problemas da juventude partem dos próprios jovens, enquanto participantes activos do processo de reconstrução e desenvolvimento.

É preciso continuar a incentivar os jovens a participar activamente nas tarefas de reconstrução e desenvolvimento do país como forma de solucionar os seus problemas. Olhando para a agenda do Executivo, os jovens angolanos entendem melhor hoje do que ontem que grande parte dos programas estão virados para eles.

Jornal de Angola.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up