Sexta, 02 de Dezembro de 2022
Follow Us

Sábado, 01 Outubro 2022 12:55

Burkina Faso: Novo golpe de Estado afasta líder da junta militar

Um grupo de militares do exército do Burkina Faso assumiu o controlo da televisão estatal nesta sexta-feira para anunciar a destituição do tenente-coronel Paul-Henri Damiba, que ascendeu ao poder após um golpe de Estado em Janeiro. A Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a União Africana condenam firmemente esta acção por parte dos soldados.

Os militares também confirmaram a dissolução do governo e da Constituição, bem como o encerramento das fronteiras do país até nova ordem e um toque de recolher das 21 às 5 horas da manhã.

Num país atormentado por uma onda de terrorismo, a questão da segurança é vital para os cidadãos, e foi sob este manto que o tenente-coronel Paul-Henri Damiba assumiu o controlo do país em Janeiro deste ano.

Entretanto, a situação não melhorou. Esta semana elementos de grupos terroristas atacaram um comboio que se dirigia a Djibo, uma cidade no norte do país dominada por insurgentes, provocando a morte de 11 soldados e 28 civis.

Insatisfeitos, os militares citam que "a contínua deterioração da situação de segurança" no país os levou "a assumir as responsabilidades". Eles acrescentaram ainda que em breve "as forças vivas da nação" serão convocadas para redigir uma nova carta de transição para designar um novo presidente, "civil ou militar”, e prometeram "perseguir o ideal comum" do povo burquinabê, "nomeadamente restaurar a segurança e a integridade territorial".

De agora em diante, o Capitão Ibrahim Traoré assumirá a liderança do Movimento Patriótico para a Salvaguarda e Restauração, MPSR, um grupo de transição criado pela junta militar após o golpe de Estado a 24 de Janeiro.

A CEDEAO e a União Africana condenam o golpe de Estado

Num comunicado emitido na noite de sexta-feira a Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) condena “de forma enérgica e firme” a tomada de poder "por meios não constitucionais" e exige o respeito escrupuloso do cronograma concordado entre a organização e as autoridades de transição, para um retorno à ordem constitucional até Julho de 2024.

Em apoio a este comunicado, o presidente da Comissão da União Africana (UA), Moussa Faki Mahmat, instou aos militares de se abster imediatamente de qualquer acto de violência contra as populações civis e aos direitos humanos. O presidente reafirmou o apoio da União Africana ao povo burquinabê de forma a "assegurar a paz, a estabilidade e o desenvolvimento do país". RFI

Rate this item
(1 Vote)