Domingo, 24 de Setembro de 2023
Follow Us

Quarta, 30 Agosto 2023 11:36

João Lourenço cita golpe militar no Gabão para pedir Serviço de Inteligência Externa “olhos abertos”

O Presidente angolano, João Lourenço, pediu hoje à nova diretora-geral adjunta do Serviço de Inteligência Externa (SIE) atenção aos conflitos “cada vez mais conturbados” que o mundo regista, dando o exemplo da instabilidade no Gabão.

João Lourenço desejou à diretora-geral adjunta do SIE, Teresa Manuel Bento da Silva, que substituiu no cargo Mário António da Costa Dias, sucessos e bom desempenho nas novas funções.

Segundo João Lourenço, o mundo de hoje está cada vez mais conturbado, “com conflitos de toda a ordem”.

Esta madrugada mesmo acabámos de ser surpreendidos com alguma instabilidade, que, em princípio, reina aqui no país irmão muito próximo de nós, estou-me a referir à República do Gabão, portanto, por tudo isso, os serviços de inteligência externa têm que estar de olhos bem abertos a tudo o que se passa no mundo, sobretudo em termos de segurança, em termos de estabilidade dos países”, referiu.

Teresa da Silva foi nomeada pelo Presidente angolano, depois de ouvido o Conselho de Segurança Nacional.

Na capital do Gabão, Libreville, após o anúncio oficial, durante a última noite, da vitória eleitoral de Ali Bongo Ondimba, um grupo constituído por uma dezena de militares declarou na televisão estatal ter "posto fim ao atual regime".

O Gabão faz fronteira com a República do Congo, Guiné Equatorial e com os Camarões.

A comissão eleitoral disse que o Presidente Ali Bongo Ondimba, no poder há 14 anos, tinha conquistado um terceiro mandato nas eleições de sábado, com 64,27% dos votos expressos, derrotando o principal rival, Albert Ondo Ossa, que obteve 30,77% dos votos.

Segundo os militares autores do golpe de Estado, o Presidente encontra-se em prisão domiciliária e há vários outros detidos, incluindo um dos filhos do chefe de Estado.

Durante o primeiro mandato, Ali Bongo foi a antítese do seu pai: sem o carisma e a desenvoltura do "patriarca" - que reinou sem contestação durante 41 anos o pequeno Estado petrolífero muito rico da África Central -, teve dificuldade em afirmar a sua autoridade, nomeadamente perante os membros inquietos do todo-poderoso Partido Democrático Gabonês (PDG).

A sua reeleição em 2016, já muito contestada pela oposição e oficialmente ganha por apenas 5.500 votos, foi para Ali Bongo um primeiro abanão, seguido de um segundo - o AVC -, que precipitou a sua transformação.

A sua convalescença foi pontuada por um golpe de Estado falhado, com contornos difusos, em 7 de Janeiro de 2019, e por uma tentativa do seu então omnipotente chefe de gabinete, Brice Laccruche Alihanga, de o demitir.

Laccruche está preso há mais de três anos, juntamente com vários ministros e altos funcionários, alvo de uma operação "anti-corrupção" implacável.

Num Gabão tomado pela corrupção endémica desde as décadas em que Omar Bongo foi o seu pilar mais emblemático, Ali Bongo tem-se apresentado nos últimos anos a ministros e conselheiros como o "pai do rigor", sujeitando-os a auditorias e demitindo-os à menor suspeita.

Para a oposição, porém, o fosso entre ricos e pobres é cada vez maior num dos países mais ricos de África em termos do PIB per capita e onde a ausência de políticas capazes de diversificar uma economia demasiado dependente do petróleo empurra uma em cada três pessoas para baixo do limiar da pobreza.

Herdeiro de parte da imensa fortuna do pai, o "Sr. Filho" ou "Bebé Zeus", como era então conhecido, foi durante o primeiro mandato retratado pela oposição como um governante distante do seu povo, retirado em propriedades luxuosas no Gabão e no estrangeiro ou ao volante de numerosos carros de luxo, entregando a política e os assuntos do país à gestão de conselheiros e ministros, que os confundiam com os seus próprios interesses.

Rate this item
(0 votes)