Sexta, 19 de Abril de 2024
Follow Us

Sábado, 26 Março 2016 22:43

Músicos juntam-se em Maputo pela libertação dos ativistas políticos na Angola

Cerca de 30 músicos juntaram-se na noite de quinta-feira em Maputo para um espetáculo em prol da libertação dos 17 ativistas angolanos que estão a ser julgados em Luanda por coautoria de atos preparatórios para uma rebelião.

Músicos juntam-se em Maputo pela libertação dos ativistas políticos na Angola

"Este é um jeito por nós encontrado para apoiar aos nossos irmãos angolanos neste momento delicado ", disse à Lusa o músico luso-moçambicano Milton Gulli, organizador do espetáculo, que contou com a participação de dezenas de espetadores.

Num clima descontraído, entre copos, conversas e com retratos dos ativistas angolanos espalhados pelo pequeno palco, os mais de 30 artistas, de diferentes bandas e géneros musicais, tocaram temas de exaltação à liberdade de expressão, sob olhar atento do público que, logo nas primeiras horas da noite, se colocou à porta do café Gil Vicente, no centro capital moçambicana.

"Estou aqui há horas, ansioso para ver a atuação dos músicos, e espero que esta iniciativa sirva para pressionar as autoridades angolanas na decisão final", disse à Lusa Mário Marrengula, um dos espetadores, momentos antes do início do espetáculo, justificando a importância da iniciativa com o facto de Moçambique e Angola partilharem, além da língua, a mesma história.

Para Milton Gulli, mais do que uma questão interna, a situação dos ativistas na Angola exige o apoio e a intervenção de todos, na medida em que trata-se de "uma luta pela liberdade de expressão".

"Esta é agora uma causa que é universal", sublinhou o organizador do espetáculo, enquanto afinava as cordas da sua guitarra momentos antes de acompanhar o 'rapper' de intervenção social Azagaia na sua atuação.

Para o vocalista da banda 340 ml, Pedro da Silva Pinto, que já trabalhou com Luaty Beirão, o ativista mais conhecido entre os que estão a ser julgados em Luanda, além do apoio, a iniciativa mostra que há pessoas que se identificam com esta causa além-fronteiras, uma característica típica das sociedades modernas e globalizadas.

"Esta é uma forma de incentivar as pessoas a abrirem os olhos e falarem de forma aberta, não só em Angola como no mundo", referiu Pedro da Silva Pinto, saudando os ativistas pela " coragem e determinação na luta pelo seu povo".

Por sua vez, o 'rapper' moçambicano Rage considerou que causas similares à dos ativistas angolanos mostram que já não há espaço para modelos de governação coercivos e é a altura de, a partir de movimentos como este, a juventude africana começar a exigir mudanças.

"Eu penso que nós fazemos parte da última geração capaz de fazer alguma coisa para manter a igualdade e liberdade nas nossas sociedades", afirmou à Lusa o autor do álbum "A Minha Maneira", esperando que a justiça e a liberdade prevaleçam na leitura final da sentença.

Os 17 ativistas são acusados de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, e as alegações finais do julgamento foram agendas para segunda-feira, no tribunal de Luanda.

Através de um vídeo de pouco mais de dez segundos, publicado nas redes sociais, os jovens ativistas angolanos agradeceram a iniciativa dos músicos em Maputo, exaltando a importância da liberdade de expressão e repudiando quaisquer "atitudes ditatoriais".

© Lusa

 

Rate this item
(0 votes)