Segunda, 26 de Fevereiro de 2024
Follow Us

Quinta, 30 Novembro 2023 13:37

Chineses detidos por tentarem subornar efectivos do SIC com 7 milhões Kz durante encerramento de fábrica ilegal

O Serviço de Investigação Criminal, através das suas Direcções de Combate aos Crimes de Corrupção, Crimes Económicos e Contra Saúde Pública e de Tráfico ilícito de pedras, metais preciosos e crimes contra o ambiente, detiveram, em flagrante delito, 5 cidadãos chineses, com idades compreendidas entre 33 aos 45 anos, por factos que constituem crimes de exercício ilegal de actividade económica e fuga ao fisco.

A detenção ocorreu, segundo dados do SIC, após uma denúncia que dava conta da existência de uma unidade fabril instalada no complexo comercial denominado Cidade da China, sito no Município de Viana, que exercia actividade ilegal, tendo desencadeado na manhã de sexta-feira, 24 de Novembro, um conjunto de acções operativas.

A referida unidade fabril de média dimensão, dedicava-se no fabrico de materiais plásticos, como cadeiras, mesas, reservatórios de água e outros utensílios domésticos, sendo que o manuseio das máquinas e a transportação dos produtos químicos como matéria prima, eram feitos por cidadãos nacionais, numa composição de 22 trabalhadores de 18 aos 32 anos de idade, que vivem em condições precárias nos casebres, bem como trabalhavam sem condições de segurança, como uso de máscara ou luvas para prevenir-se da exposição dos elementos químicos prejudiciais a saúde humana.

O SIC, no decorrer da inspecção feita a referida firma, apurou preliminarmente que os responsáveis daquela fábrica não tinham nenhuma licença que os permitisse exercer tal actividade económica e na tentativa de se ilibarem de alguma responsabilização criminal, os cidadãos chineses tentaram subornar os efectivos do SIC com uma quantia monetária de 7.000.000,00Akz, um gesto que foi imediatamente frustrado e que resultou na detenção dos corruptores e apreensão do referido montante.

Salienta, igualmente que os cidadãos ora detidos serão presentes ao Ministério Público e na sequência ao Juiz de Garantias para ulteriores trâmites processuais.

Rate this item
(1 Vote)