Segunda, 04 de Março de 2024
Follow Us

Terça, 03 Outubro 2023 20:07

Polícia angolana preocupada com cibercrime, crimes transfronteiriços e drogas

O comandante-geral da Polícia Nacional de Angola, destacou o cibercrime, crimes transfronteiriços e o tráfico de droga como algumas das preocupações das autoridades angolanas, esperando colher experiências de outros países no encontro da Interpol que decorre em Luanda.

Arnaldo Carlos disse hoje, em conferência de imprensa, à margem da 26ª Conferência Regional Africana da organização de polícia internacional, que pretende abordar os fatores desencadeadores da criminalidade em Angola para que se sejam encontradas soluções para mitigar o problema.

O responsável disse que um dos objetivos de Angola é ir buscar as experiências de outros países no combate ao cibercrime, apontado como um dos tipos de crimes em progressão a nível mundial, sendo outra das preocupações o crime fronteiriço.

Arnaldo Carlos sublinhou que a polícia angolana tem trocado experiências com outros países sobre as melhores formas de garantir a segurança fronteiriça, respeitando a soberania dos estados vizinhos e a de Angola, bem como a liberdade dos cidadãos.

A polícia angolana pretende também debater as perspetivas de outros países no combate à droga, um tema “que está a preocupar todas as polícias do mundo e Angola não fica à parte”, já que o país começou por ser ponto de passagem para a droga, mas estão a ser identificados também pontos muito fortes de consumo, adiantou.

O responsável angolano afirmou, ainda, que a relevância da Interpol depende de cada país, pois a Interpol tem as ferramentas, mas os Estados devem estar preparado para utilizar os recursos que a organização disponibiliza para a partilha de informações.

O secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock, disse, também na conferência de imprensa, que o crime organizado, sendo cada vez mais complexo e internacional, está a aumentar sob todas as formas, o que coloca mais pressão sobre os recursos humanos e financeiros.

Stock lembrou que a Interpol fornece uma plataforma que ajuda os seus membros a coordenarem os seus esforços e que as novas tecnologias devem estar à disposição das forças policiais para lidar com grandes quantidades de dados e informação, tal como com a inteligência artificial.

Rate this item
(0 votes)