Quinta, 18 de Julho de 2024
Follow Us

Domingo, 12 Fevereiro 2023 16:05

Cada vez mais angolanos emigram para o estrangeiro

 

Continua a aumentar o número de angolanos que todos os meses partem e se estabelecem no estrangeiro, sobretudo na Europa e no continente americano.

O último relatório de Portugal sobre Migração, Fronteiras e Asilo mostra que, em 2020, Angola foi o segundo país com maior número de pedidos de asilo e o quarto em pedidos de cidadania portuguesa. Esse número vem crescendo desde 2017. Nos últimos quatro anos, mais de 700 angolanos pediram asilo em território português.

Segundo a mesma fonte, os emigrantes não estão apenas desesperados por um emprego, pois há jovens com salários acima de um milhão de Kwanzas e margens para crescer na profissão que abandonaram tudo, cansados das condições que Angola oferece, ou procurando condições mínimas, como segurança, educação de qualidade, saúde e estabilidade naquele país europeu.

O Consulado do Brasil em Angola citado pelo Novo Jornal diz que recebeu, de Outubro de 2022 a Janeiro deste ano, mais de 12 mil pedidos de visto, um número superior comparativamente aos anos anteriores, e assegura que passou a não aceitar como válidos pagamentos para pedidos de visto com até 60 dias devido a problemas na prestação de informação nas auditorias a que o serviço consular é submetido..

O número de angolanos a chegarem aos Estados Unidos tem tambem vindo a aumentar nos últimos anos a maior parte pedindo asilo politico quando chegam ao país principalmente através da fronteira sul, vindo dos México onde chegam geralmente via Brasil.

Grande parte dos imigrantes angolanos nos estados Unidos escolhem estados do nordeste como Maine.

Estudos indicam que os principais destino dos angolanos são Portugal, França, Brasil e Estados Unidos, mas um grande número deixam o país para a Namibia e África do Sul
O silêncio do governo face a esta vaga de angolanos para o exterior do pais é questionado por vários especialistas que se mostram preocupados com este fenómeno..

Para falar sobre o assunto, ouvimos os activistas cívicos, Jofre dos Santos, Monokwama Piassa e o analista político Agostinho Sikato.

Rate this item
(0 votes)