Quinta, 06 de Outubro de 2022
Follow Us

Sexta, 19 Agosto 2022 10:44

Morreu o jornalista angolano Gustavo Costa, correspondente do Expresso

O jornalista angolano Gustavo Costa, correspondente do Expresso e colaborador do semanário angolano Novo Jornal, morreu na madrugada de sexta-feira, aos 63 anos, vítima de um AVC, anunciaram os dois meios de comunicação.

Gustavo Costa nasceu em 1959 e iniciou-se no jornalismo na década de 1970, estreando-se no Jornal de Angola. Colaborava com o semanário Expresso desde 1989 e era também cronista do Novo Jornal, tendo passado igualmente pelo “JDM - Jornal Desportivo Militar” e pelo “Record”.

O seu trabalho foi distinguido com um Prémio Nacional de Jornalismo e o Prémio Maboque de Jornalismo.

Nas redes sociais, colegas de profissão e veteranos do jornalismo angolano exprimem o seu pesar e prestam tributo a Gustavo Costa.

A jornalista Luísa Rogério, presidente da Comissão da Carteira e Ética lamentou na sua página de Facebook a perda de um dos “monstros sagrados” do jornalismo angolano, que descreveu como “uma pena irretocável”.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Angolanos, Teixeira Cândido, disse que o legado de Gustavo Costa dispensa qualquer referência.

“Foi-se um dos mais cultos jornalistas que este País viu nascer. Até sempre, kota!”, escreveu na sua página.

O diretor do Novo Jornal, Armindo Laureano, recordou a sua conversa recente com Gustavo Costa em que falaram da campanha eleitoral, dos candidatos, dos programas, resultados e expectativas do pós - eleições e partilhou alguns dos artigos publicados pelo jornalista, mostrando pesar pela morte inesperada.

Também o presidente da coligação CASA-CE, Manuel Fernandes, que concorre às eleições gerais marcadas para 24 de agosto, recordou Gustavo Costa como um gigante do jornalismo angolano e um “intransigente combatente da liberdade, da pluralidade de pensamento e de opinião”.

O ex-jornalista e atual secretário do Presidente da República para os Assuntos de Comunicação Institucional e Imprensa, Luís Fernando, escreveu que foi Gustavo Costa que o levou a abraçar a profissão.

“Foi por te ler, nos finais dos anos 70 do séc XX, que disse que queria o Jornalismo como escolha profissional, modo de vida, causa, paixão eterna. E quase 50 anos depois, continuei a admirar-te profundamente como um aprendiz venera o seu mestre”, escreveu no Facebook.

A jornalista Cristina Peres, colega do semanário Expresso, escreveu uma nota emotiva, recordando a intuição e a capacidade de saber ouvir de Gustavo Costa, carinhosamente tratado por “Gugu”, que “nunca trabalhou num meio fácil, o que nalguns anos terá sido estimulante, já que a liberdade em Angola é angolana”.

Lembrou ainda que Gustavo Costa foi condenado em janeiro de 2000 a um ano de prisão com pena suspensa de 19 meses e ao pagamento de uma multa no valor de quatro mil contos (cerca de 20 mil euros), numa sentença que o jornalista angolano Reginaldo Silva descreveu como tão draconiana que “se comenta em Luanda que até o próprio advogado do chefe da Casa Civil de Eduardo dos Santos terá sido surpreendido com a dureza da pena”.

Rate this item
(0 votes)