Sexta, 15 de Janeiro de 2021
Follow Us

Domingo, 06 Setembro 2020 12:34

Máfia e contrabando de diamantes em Angola em baixo do nariz do general Miala

De acordo com dados fiscais de importação de minérios, recebidos de países que recebem Diamantes vindos de Angola, o Estado Angolano perde volta de 600 Milhões de Dólares no contrabando e fuga ao fisco da venda de diamantes.

Em Angola temos 12 projetos mineiros em Produção que supostamente funcionam, mais os dados da SodiamMinistério dos Recursos Minerais e Petróleos e GásMinistério das Finanças e BNA damos conta que, apenas 5 geram receitas mensais ao estado que são: CATOCA – CHITOTOLO – CUANGO – SOMILUANA – ÚARI CAMBANGE 

Além dos 12 projetos mineiros em produção que até estão na página da Endiama, ainda temos mais 9 novos projetos em prospeção que já temos informação que estão a explorar e com ajuda de quadros séniores da Endiama e dos Serviços de Segurança geridos pelo General Miala, que os seus funcionários do sector diamantífero já estão viciados, por este motivo os Diamantes nunca vão a Sodiam. 

Máfia das Cooperativas e Licenças

Antigamente a Máfia que foi exposta pelo Jornalista Rafael Marques do Maka Angola era composta pelo Ex PCA Sr. António Carlos Sumbula com seu grande amigo o atual Governador do Moxico Sr. Gonçalves Manuel Muandumba e a sua Antiga trabalhadora que hoje é administradora da Endiama Sra. Ana Maria Feijó Bartolomeu, que era na altura Diretora Direção Geologia e Desenvolvimento Mineiro.

A Máfia dos diamantes continua e claro começa na Endiama tudo arquitetado pela Sra. Ana Maria Feijó que deu a curva a todos e anda a por várias cascas de banana em contratos de cooperativas e sociedades mineiras para o Sr. Ganga Júnior despachar sem ler, enquanto os verdadeiros investidores que vão dar emprego ficam a xuxar o dedo.

A Sra. Ana Maria Feijó ficou conhecida como a mafiosa das Cooperativas Mineiras desde o tempo do Sr. Sumbula que este também tinha esquemas ligados a Garimpeiros.

O esquema mantido ativo pela Sra. Ana Feijó faz com que as Cooperativas Mineiras nunca fazem as vendas dos diamantes através da Sodiam, fugindo ao fisco e vendendo mais barato diretamente a clientes Libaneses, Mauritanos em Luanda, e alguns compradores internacionais via contrabando pelo Congo Democrático.

Estes diamantes depois são exportados e postos a vendas nas maiores praças mundiais Dubai, Antuérpia, Hong Kong e Israel na qual são vendidos a preços internacionais e faz com que o governo Angolano perca uma média anual de 600 Milhões de dólares desde 2018.

A Sra. Ana Maria Feijó também é conhecida como a Administradora que dificulta a entrada de novos investidores, porque quer comissões ou quer percentagem dentro das sociedades mineiras, quase todos os novos contratos homologados pela Endiama de 2018 até hoje a Sra. Feijó foi diretamente beneficiada, isto quer dizer que a marimbondagem continua.  

Projetos em Angola. 

CASSANGUIDI – MILANDO – LUACHIMO – SANGAMINA – Cooperativa KABUTU são projetos atribuído a Muapi Mining do Sr. Muteba Adolfo Pinto testa de ferro da grande Marta dos Santos irmã de José Eduardo Dos Santos que desde 2015 está nestes projetos a explorar diamantes inclusive tinha muitas dragas tirava grandes quantidades de Diamantes e nunca foi vender na Sodiam. 

Sr. Muteba com ajuda do Administrador da Sodiam Sr. Fernando Teixeira da Fonseca Amaral que é parceiro e Sócio de Muteba e ajuda a camuflar os diamantes para saírem do país sem serem vendidos na Sodiam. 

Só o Projeto CASSANGUIDI em 2016 na Gerência do Sr. Fernando Amaral (Sodiam) com Sr. Muteba (Muapi) produzia por mês 40 mil quilates que desapareciam com Sr. Muteba. 

QUITAPAZUNZO foi atribuído a Kutululuca e PAN Diamond e até hoje nunca vimos uma pedra na estatística da Sodiam.

YETWENE foi entregue a Mountain Stability que pertence à família dos Santos e também ninguém vê nenhuma produção vendida a via Sodiam, mais já estão a produzir.

CHITAMBA está com a Wild Cuale e a Cotech multiuso até hoje nenhuma produção de prospeção ou alguma venda na Sodiam.  

LUANGUE falam em grandes amostras mais ate hoje nada foi para Sodiam para ser vendido.  

TCHIAFUA nunca vimos nada na Sodiam.  

BANGE ANGOLA outra grande mina dos Senhores do MPLA e até agora não vendem nada na Sodiam.  

CUILO uma mina que tinha tudo para dar certo com investidores certos já que foi uma grande esperança da internacional Australiana BHP e da Sul africana Petra, hoje esta ser garimpada por homens do Sr. Julião Mateus Paulo “Dino Matrosse” com uma Cooperativa criada pela Sra. Feijó.  

TCHISSOMBO ate hoje sempre em mobilização na realidade todos soubemos que já estão a explorar.  

CHIUMBE é uma Sociedade Mineira que está ocupada por uma cooperativa da Sra. Feijó e nada vai para venda na Sodiam.  

SACHENDA dizem que já estão lá faz tempo mais ninguém manda nada para Sodiam.  

CHIMBONGO mina da empresa do MPLA chamada COERM do Sr. Zola Arcanjo que gere a mina desde 2003 e até hoje não vende nada na Sodiam.  

MAUA – TCHEGI – CANGANDALA – CASSANGO – LUANGUE – QUITUBIA – GANGO – CACANGE – MUALENGUE – MUSSANJA – São minas atribuídas a PEPS (Ministros, Generais, Membros do CC e BP MPLA) e suas empresas com apoio da Sra. Ana Maria Feijó e ate hoje nem água vem nem água vai, apenas são os donos da licença, ocuparam os grandes terrenos, não produzem nada para vender na Sodiam, mais sim para sair por outras vias.  

LUMINAS – CALONDA – LUAXE perguntem ao Ganga como anda estes projetos.  

A nova Agência Nacional de Recursos Minerais deve primeiro suspender todas cooperativas, e ver quem em 2019 vendeu na Sodiam, e quem não vendeu perder para sempre a licença e área.  

Agência Nacional de Recursos Minerais tem de remover a licença de todas sociedades mineiras que estão com os documentos a 5 anos e não fazem nada, apenas estão a travar o desenvolvimento mineiro para interesses próprios e para encher o bolso com garimpo organizado nestas mesmas sociedades mineiras.

Vamos ser unanimes e honestos e fazer visitas de constação a estes projetos mineiros que nós indicamos e fizemos denuncia publica.  

Se estes projetos acima citados não tiverem o mínimo de equipamentos e necessidades para uma mina operar que são: 

Base de vida completa, Uma Lavaria de 75 Toneladas por Horas, Duas Escavadoras hidráulicas, Dois Camiões Articulados, Duas Pá Carregadoras de Rodas e Dois Tratores de Rasto, deve se revogar a licença e fechar as operações porque não tem o mínimo do equipamento necessário para um projeto mineiro. 

Será que vamos continuar a marimbondagem e a beneficiar os Camaradas e as pessoas influentes ou será que chegou a hora de realmente dar emprego ao povo.   

Depois Agência Nacional de Recursos Minerais deve analisar todos contractos feitos pela Sra. Feijó na outorga das Sociedades Mineiras e juntamente com a Segurança do Estado tomar medidas severas. 

O grande General Miala que não entende nada disto, chegou o momento para acordar e ver quem realmente está por de trás de muitas destas falsas sociedades mineiras, que hoje são a maior fonte de garimpo organizado e legal em Angola. Angola24Horas (AO24)

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up