Sexta, 19 de Agosto de 2022
Follow Us

Quarta, 26 Janeiro 2022 13:07

Pandora Papers descobre mais 20 empresas offshore ligadas a poderosos políticos angolanos

Os Pandora Papers, lançaram nova luz sobre os negócios offshore de figuras da elite próximas do ex-Presidente José Eduardo dos Santos que foram recentemente sancionadas pelos EUA.

Segundo dados, as figuras da elite da política angolana acusados de desviar bilhões de dólares podem agora ser vinculadas pelo menos mais 20 empresas secretas, nos Estados Unidos e outros paraísos fiscais, expondo novos esconderijos financeiros da ex-elite governante no empobrecimento do país.

Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, bem como dos ex-assessores da presidência e generais, Leopoldino Fragoso do Nascimento "Dino" e Manuel Hélder Vieira Dias Júnior "Kopelipa", detinham empresas offshore e contas bancárias na Europa e no Oriente Médio, conforme investigação da Pandora Papers.

No ano passado, o governo dos Estados Unidos sancionou Isabel dos Santos e os dois ex-generais pelo que chamou-se de "corrupção significativa". Sob as novas medidas, Isabel dos Santos e membros de sua família não podem entrar nos Estados Unidos.

EUA também impuseram também sanções, incluindo o congelamento de todos os ativos, aos antigos dirigentes angolanos Leopoldino Fragoso do Nascimento 'Dino' e Manuel Helder Vieira Dias Júnior 'Kopelipa'. O Departamento do Tesouro dos EUA colocou general Dino, Kopelipa e sua esposa, Luisa de Fátima Giovetty que foi antiga assistente de bordo, sob sanções econômicas.

"Trazer à luz os negócios obscuros dos cleptocratas é fundamental para a defesa dos direitos humanos", disse Karina Carvalho, diretora executiva da Transparência Internacional em Portugal. "Angola é um país rico em recursos, mas a maioria da sua população vive na pobreza, impedida de ter acesso à saúde, educação e condições de vida dignas por causa das pessoas que se apoderam da riqueza do país".

Vale lembrar que, há dois anos, o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos revelou que Isabel dos Santos, uma vez apontada como a mulher mais rica da África, construiu sua fortuna estimada em US $ 2 bilhões com a ajuda de empresas de fachada e uma série de advogados, contadores e advogados ocidentais gestores de patrimônio.

Na altura, a investigação do Luanda Leaks mostrou como Isabel dos Santos teve acesso a negócios lucrativos envolvendo petróleo, diamantes, telecomunicações e supermercados, muitas vezes cortesia de decretos governamentais assinados por seu pai. Esta, também se beneficiou de negociações privilegiadas, empréstimos preferenciais e contratos alimentados por dinheiro público.

Isabel dos Santos disse que as acusações contra ela eram falsas.

Aliados próximos do pai de Isabel dos Santos, os generais Dino e Kopelipa são acusados ​​pelos EUA de desviar fundos públicos também para seu benefício pessoal. Eles já tiveram grandes interesses comerciais e foram estimados em bilionários.

Em 2020, por exemplo, Dino e Kopelipa entregaram voluntariamente bens, incluindo residências e fábricas, como parte de uma investigação do governo angolano sobre suposta fraude e uso indevido de contratos estatais. Um advogado dos dois generais se recusou anteriormente a comentar o caso.

A investigação da Pandora Papers de 2021, baseada em um acervo de quase 12 milhões de registros vazados de provedores de serviços offshore baseados em notórios paraísos fiscais, lança uma nova luz sobre as transações financeiras do trio.

De salientar que, Isabel dos Santos não respondeu aos pedidos de comentários sobre suas empresas offshore. Dino e Kopelipa não foram encontrados para comentar.

No entanto, Isabel dos Santos, Dino, Kopelipa e membros de suas famílias possuíam ou ocupavam cargos como advogados, accionistas ou directores , pelo menos 20 empresas offshore, conforme mostram os registros vazados da Pandora Papers. Os laços dos angolanos com muitas das empresas nunca foram relatados anteriormente.

Em 2008, mostram os registros, Nascimento tornou-se proprietário da Shenyang Investments LLC , uma empresa de fachada registrada em Wilmington, Delaware. A empresa abriu uma conta bancária em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, segundo a Pandora Papers.

Os registros públicos em Delaware não se referem à conexão da empresa com general Dino ou com Angola. A empresa foi fechada em 2014, anos depois de relatos da mídia levantarem preocupações de conflito de interesse sobre a participação secreta do general Dino em uma empresa privada que lucrava com a imensa riqueza petrolífera de Angola.

Como parte da investigação do Luanda Leaks, o ICIJ revelou anteriormente que Isabel dos Santos e seu marido, Sindika Dokolo, também possuíam uma empresa de fachada em Delaware para manter uma casa de luxo em Portugal.

Leopoldino Fragoso do Nascimento, também conhecido como Dino, foi igualmente dono ou foi director de empresas criadas nas Ilhas Virgens Britânicas e no Panamá, mostram registros vazados. Várias empresas abriram contas bancárias no Banco Espírito Santo, um credor português problemático com um histórico bem documentado de servir as elites angolanas.

Os registros vazados mostram que Leopoldino Fragoso do Nascimento também era dono da Dark Oil Ltd. em parceria com general Kopelipa e Manuel Vicente que foi presidente do Conselho de Administração da Sonangol, uma empresa estatal angolana de petróleo e foi também ex-Vice-presidente da republica durante o governo do ex-Presidente Eduardo dos Santos, os três homens eram muitas vezes referidos como o "Triunvirato Presidencial".

Em 2007, os meios de comunicação informaram que a Dark Oil Ltd. e a estatal petrolífera de Angola, liderada por Manuel Vicente, assinaram um acordo com uma empresa russa para a exploração de petróleo.

General Dino, Kopelipa e Manuel Vicente "sempre demonstraram um alto grau de integridade e capacidade", segundo cartas de recomendação para os homens elaboradas em 2009 por seus gestores de patrimônio em Malta.

Manuel Hélder Vieira Dias Júnior, o ex-general e ministro que também é conhecido como Kopelipa, era dono da Tentower Overseas SA no Panamá e abriu uma conta bancária em Portugal, segundo os Pandora Papers. A sua esposa, Luísa de Fátima Giovetty, também era dona de uma empresa de fachada no Panama para abrir uma conta bancária na Europa, segundo registros vazados.

Luísa de Fátima Giovetty, viajava num Bentley 3W ou num Rolls-Royce Ghost Family que custava mais de 250 mil euros. Tem casas em Lisboa e Vilamoura, no Algarve, e terrenos para construir na Quinta da Marinha, em Cascais, avaliados em 4 milhões de euros. Em 2010, já havia realizado discretamente mais um negócio: comprara dois apartamentos de luxo no Estoril por 6,403 milhões de euros.

"A decisão dos EUA de sancionar estas três pessoas é um passo importante na luta contra a corrupção em Angola, e também no aumento da responsabilização em outras jurisdições, como Portugal, que permitem e facilitam os fluxos financeiros ilícitos de Angola", disse Carvalho. "Mas o impacto de ações positivas como esta sempre será limitado sem um pacto global para acabar com os paraísos fiscais e o uso de empresas de fachada".

Rate this item
(1 Vote)