Segunda, 28 de Novembro de 2022
Follow Us

Quinta, 04 Agosto 2022 22:48

Líder da UNITA acusa TPA de tentar manipular a resolução dos senadores americanos

O Líder da UNITA e coordenador da Frente Patriótica Unida (FPU), Adalberto Costa Júnior, acusou esta quinta-feira, 04 de Agosto, a Televisão Pública de Angola, de tentativa de manipulação à resolução do Congresso de Senadores dos Estados Unidos da América, cujo objectivo centra-se no desejo à transparência, justiça e liberdade eleitoral, em Angola.

Em um nota de repúdio, a que Angola24horas teve acesso, Adalberto Costa Júnior disse "ironicamente" que a TPA estaria "no seu melhor", numa altura em os dados dos Senadores dos EUA ainda estão disponíveis, para consulta pública.

"Tentaram manipular a informação. Editaram o vídeo, mas aí está a confirmação acerca da resolution dos senadores americanos, disponível também o link para acesso directo à página oficial, onde podem encontrar toda informação", denunciou Adalberto Costa Júnior.

De recordar que, os Senadores dos EUA pediram eleições "livres, pacíficas e justas" em Angola, tendo o presidente do Comité de Relações Externas do Senado dos Estados Unidos, Bob Menendez, sido o primeiro subscritor da resolução em que se apela às autoridades angolanas para assegurarem que as eleições de 24 de agosto próximo sejam credíveis.

Bob Menendez disse que, depois de décadas de governo autocrático e de má gestão dos recursos do Estado por um homem e um partido, os angolanos merecem uma chance de institucionalizar a prática de escolher seus próprios líderes através de um processo livre e justo.

O texto é subscrito por mais dois senadores democratas, Ben Cardin e Chris Van Hollen, que preside ao subcomité do Senado de Relações Externas sobre África e Política Global de Saúde.

"De acordo com a Freedom House, Angola ‘não é livre’ – com um histórico de repressão das liberdades democráticas", disse o senador Cardin, que acrescentou que, a mesma resolução apela ao Governo de Angola para romper com o seu histórico de repressão e realizar eleições livres, justas e pacíficas.

A prosa sublinha ainda que Angola, apesar das várias eleições regulares, é considerado um País "não livre" pela Freedom House devido a "abusos cometidos pelo partido dominante", o MPLA no sentido de "controlar as instituições do Estado" para poder "controlar o processo político" e "limitar a liberdade de expressão".

O senador Van Hollen, por seu lado, considera que "Angola é governada por um partido desde a sua independência e as próximas eleições já estão marcadas por tentativas de silenciar e intimidar os partidos da oposição".

"Exortamos todas as partes envolvidas a agir no melhor interesse do povo de Angola e a dar a todos os angolanos a oportunidade de finalmente terem suas vozes escutadas através de um processo democrático livre, justo e credível", acrescentou Van Hollen.

De salientar que, os três senadores foram eleitos pelo Partido Democrata e Bob Menendez representa o estado de Nova Jérsia, enquanto Ben Cardin e Chris Van Hollen foram eleitos pelo estado de Maryland.

Estes três membros do Senado do Congresso dos Estados Unidos, notam ainda que os grandes media em Angola "são controlados ou altamente influenciados pelo Executivo" e que os "jornalistas independentes enfrentam pressões sérias", enquanto os partidos da oposição são "sujeitos a interferências burocráticas".

Finalmente, a resolução exorta o Governo dos Estados Unidos da América "a responsabilizar os quadros angolanos por quaisquer tentativas de subversão do processo eleitoral".

Rate this item
(1 Vote)
Last modified on Quinta, 04 Agosto 2022 23:13