Segunda, 06 de Julho de 2020
Follow Us

Sábado, 13 Junho 2020 13:08

João Lourenço promete investimento de “grande vulto” no ensino

O Presidente da República, João Lourenço, defendeu, ontem, em Luanda, uma aposta substancial no ensino primário e secundário, com um investimento de grande vulto, para elevar a qualidade no futuro e evitar que se continue a assistir a um cenário em que estudantes saídos do ensino superior não saibam fazer uma redacção.

Numa intervenção, na cerimónia de tomada de posse dos secretários de Estado para o Ensino Secundário e para os Assuntos Económicos do Presidente da República, bem como do embaixador na Bélgica e União Europeia, o Titular do Poder Executivo deplorou o que se está a passar no ensino, chegando a afirmar: “estamos a brincar com o futuro do nosso país”. João Lourenço sublinhou que o futuro “não está no petróleo, nem nos diamantes, mas no homem”.

O Presidente disse querer ver mudanças no sistema de ensino, tornando-o “mais exigente e criterioso”, para prevalecerem valores como “o mérito e preparo académico de assinalável envergadura”. João Lourenço lamentou o facto de existirem estudantes do ensino superior que não sabem escrever, nem falar. “Este cenário tem que ser afastado da nossa realidade.

O nosso ensino tem que ser muito mais exigente do que é hoje. Só devem transitar para as classes superiores aqueles alunos ou estudantes que, de facto, mereçam. Não podemos facilitar”, declarou. Para o Presidente da República, o homem tem de ser formado e bem formado, e é preciso ter a coragem de vencer o populismo e aquelas correntes que defendem que todo o cidadão angolano pode ser doutor.

“Todo o cidadão angolano tem esse direito, mas não basta ter esse direito. É preciso que trabalhe no sentido de se qualificar para que atinja o nível superior”, advogou. O Chefe de Estado disse ter a certeza que a direcção do Ministério da Educação, que tem essa responsabilidade, vai enfrentar uma grande resistência, a começar pela revisão dos manuais escolares.

“Vão ser apontados de elitistas e de que querem ser ‘mais papistas do que o Papa’, como se diz. Mas, não tenham receio”, encorajou João Lourenço, para quem o caminho certo é fazer as coisas de forma correcta. “E o que vem sendo feito até aqui não é correcto”, avaliou. O Presidente insistiu que sem educação de qualidade o futuro de Angola está comprometido.

Reconheceu que a responsabilidade que recai sobre os ombros da ministra e secretários de Estado do Ministério da Educação é mais do que uma. João Lourenço lembrou que, até há pouco tempo, enquanto Titular do Poder Executivo, tinha efectuado mudanças no sector da Educação, com a nomeação de uma nova ministra, que vê a sua equipa reforçada, com o secretário de Estado para o Ensino Secundário, Gildo Matias José.

“Entendemos, hoje, reforçar a sua equipa com um quadro jovem, sempre no sentido de irmos à busca de uma educação com melhor qualidade, pois o nosso país aspira colocar as nossas universidades numa posição de destaque no ranking das universidades africanas e mundiais”, realçou. Para que isso seja possível, sublinhou, não se pode apostar apenas no Ensino Superior.

Até à nomeação do secretário de Estado para o Ensino Secundário, Gildo Matias era o coordenador adjunto da Unidade Técnica de Programação, Acompanhamento e Avaliação. O Chefe de Estado teceu, igualmente, algumas considerações sobre o novo embaixador na Bélgica e União Europeia. João Lourenço considerou que Mário Azevedo Constantino tem em mãos uma missão importante.

“Não haverá surpresas para ele. Esperamos que faça um bom trabalho em Bruxelas, pois a Bélgica é um país com o qual temos muito boas relações. Além disso, é lá a sede da União Europeia, onde está, também, acreditado”, disse João Lourenço, que destacou o facto de Mário Constantino ser um quadro experiente e com passagem por várias missões diplomáticas.

Sobre Victor Hugo Guilherme, novo secretário para os Assuntos Económicos do Presidente da República, pouco disse, porque “é da casa e trata-se de uma função mais interna”. Economista de formação, Victor Guilherme foi funcionário sénior do extinto Ministério do Planeamento, através do qual exerceu o cargo de director do Fundo de Apoio social (FAS). Trata-se do quinto secretária para os Assuntos Económicos do Presidente da República no mandato de João Lourenço.

O primeiro foi Carlos Panzo, exonerado em Outubro de 2017. Em sua substituição, foi nomeado Ricardo d’Abreu, actual ministro dos Transportes. Oito meses após a nomeação, Ricardo d’Abreu substituído por Alcínio da Conceição. Lopes Paulo foi quem se seguiu, em Julho do ano passado, tendo, quase um ano depois, sido substituído por Víctor Guilherme.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up