Domingo, 27 de Setembro de 2020
Follow Us

Sábado, 22 Fevereiro 2020 10:20

Constitucional mantém prisão de Augusto Tomás

O ex-ministro vai continuar a aguardar pelo julgamento do seu recurso na prisão. Os outros arguidos têm “luz verde” do Tribunal Constitucional para aguardar em liberdade, sob termo de identidade e residência

O Tribunal Constitucional decidiu manter a situação carcerária do ex-ministro dos Transportes, Augusto Tomás e demais réus condenados no caso do Conselho Nacional de Carregadores (CNC) por crimes de peculato, branqueamento de capital, associação criminosa e artifícios fraudulentos para desviar fundos do Estado.

Um despacho assinado pelo juiz Conselheiro Relator, Carlos Magalhães, de 10 de Fevereiro de 2020, determina que “ O recurso interposto pelo recorrente Rui Manuel Moita referido a fls 5566 dos autos, tem efeito suspensivo (…..) pelo que devem o recorrente e demais manter a situação carcerária em que se encontravam antes da decisão recorrida, aguardando-se ulteriores termos”.

O Tribunal Supremo (TS) condenou, a 15 de Agosto de 2019, o ex-ministro dos Transportes Augusto Tomás a 14 anos de prisão.

O acórdão lido pelo presidente do coletivo de juízes Joel Leonardo ditou a prisão do ex-ministro angolano dos e condenou a 10 anos Manuel António Paulo, ex-diretor geral do CNC.

Isabel Bragança recebeu 12 anos de prisão, Rui Manuel Miota, dez anos, e Eurico Pereira da Silva, dois anos com pena suspensa.

À excepção de Augusto Tomás, os demais réus foram colocados sob termo de identidade e residência, a medida de coação menos gravosa que lhes foi aplicada, enquanto aguardam a julgamento do recurso interposto pela defesa.

Comentando o caso, o Sérgio Raimundo, advogado de Augusto Tomás, disse ao OPAÍS que “o que o Tribunal Constitucional fez foi corrigir um erro de palmatória do Tribunal Supremo que, incompreensivelmente, mesmo sabendo que a decisão proferida pelo seu plenário não é definitiva, já que ainda cabia um recurso extraordinário para o Tribunal Constitucional com efeito suspensivo, mandou recolher os arguidos que respondiam em liberdade ou em prisão domiciliária para as unidades penitenciárias”. OPAIS

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up