Terça, 14 de Julho de 2020
Follow Us

Sexta, 29 Mai 2020 00:57

Benguela a próxima Capital de Angola

Benguela é uma das províncias mais históricas e ricas de Angola, sendo uma Província bem localizada estrategicamente e por reunir todos os requisitos, provavelmente poderá vir a ser num futuro próximo (daqui a 10-20 anos) a nova capital de Angola.

Tem grandes paisagens naturais, tem mar, inúmeras zonas turísticas e apresenta um grande potencial agrícola devido à estrutura dos seus solos e às condições hidrográficas do seu território. Cerca de um milhão de hectares são terras favoráveis ao desenvolvimento das atividades agrícolas.

A sua dimensão territorial (39 827 km2) e a sua população provincial estimada aproximadamente em 3 milhões de habitantes e a sua diversidade cultural, representa também em parte, uma vantagem a favor do seu status à candidata favorável e perfeita a ser a futura Capital do País, basta que sejam criadas as condições político-administrativas.

A Província de Benguela localiza-se numa posição chave em Angola, Namibe tem mar mas é caracterizada por longos quilômetros de deserto, Huambo é uma grande Província mas não tem mar, Huíla idem, sendo assim, Benguela por situar-se no litoral centro de Angola e por estar limitado a Oeste com o Oceano Atlântico, e por ter muitos recursos e riquezas como ferro, mercúrio, cobre, diamantes, peixes, e por ser de grande dimensão territorial, poderia ser sim a Capital de Angola.

Futuramente, um novo governo ou um novo Presidente, caso queira avançar com a ideia de mudança de Capital pra Benguela, inicialmente teriam de ser construídos edifícios ministeriais, governamentais, estruturas econômico-comerciais, estruturas diplomáticas, consulados, centros avançados de comando técnico-militares e político-administrativas. Este processo de reestruturação e gestão-organizativa, duraria no máximo 4 a 7 anos, dependendo da dinâmica, eficácia, eficiência e do investimento do projecto no seu todo.

A partir deste momento, se descentralizaria por completo o Território Nacional, isto é, os projectos do Estado estenderiam-se a nível de todas as Províncias, actualmente este é o grande mal e problema que temos no País, tudo é concentrado em Luanda, todos os projectos são feitos em Luanda, todas as decisões passam primeiro por Luanda, todas as Embaixadas estão em Luanda, o único aeroporto internacional funcional (4 de Fevereiro) está em Luanda.

Um País não cresce e não desenvolve-se centralizando tudo, é preciso que as condições sejam criadas em todas as cidades, distritos, municípios e províncias, Angola não é só Luanda. Todas as Províncias precisam ter aeroportos internacionais, estruturas ministeriais e governamentais, edifícios diplomáticos ou consulares, projectos de emprego, escolas, universidades, centros de artes ofícios, cursos profissionais e centros de entretenimento cultural, social, histórico e político.

O actual governo angolano já demonstrou não ter vontade política em descentralizar Angola de Luanda, Luanda é uma das províncias que menos produz a favor de Angola. Cabinda, Benguela, as duas Lundas (Norte e Sul), Namibe, Humano e Huíla são as que mais contribuem economicamente para o País, mas é Luanda que beneficia-se e decide tudo, é por este motivo que em parte o povo de Cabinda sente-se esquecido, lá a rebelião não para, as lutas e os conflitos contra o governo Central continuam, mas o Executivo finge que nada se passa, é preciso criar melhores condições de vida a favor do povo de Cabinda, porque é lá onde sai a maior receita econômico-financeira do País, o governo precisa alargar os projectos do Estado a nível Nacional, todas as províncias precisam sentir-se valorizadas.

Benguela tem capacidade suficiente para assumir o controlo político-administrativo do País, caso isso venha acontecer, se faria uma reestruturação profunda do Estado, esta Província tem história, sobretudo é estratégica, Luanda actualmente é o centro da criminalidade, da pobreza, da corrupção, da lavagem de dinheiro e do crime organizado, Angola não perderia nada se mudasse de Capital, Benguela seria a melhor escolha para esse fim, por ser praticamente a Província mais estratégica do País.

Benguela é um pedaço de céu na Terra, é um pequeno Paraíso terrestre, mas os governadores que sempre lá estiveram, em particular: Dumilde das Chagas Rangel

(1995-2009), Armando da Cruz Neto (2009-2013), Isaac Francisco Maria dos Anjos

(2013-2017), e este actual governador Rui Luís Falcão Pinto de Andrade, destruíram e continuam destruindo a Província que tem tudo para ser a Capital do País, e é muito admirável que nessas novas exonerações, o governador de Benguela não tenha sido exonerado, lá o povo já não o querem, Rui Falcão é contestado o tempo todo pelo povo, não apenas pela sua arrogância, mas sobretudo pela sua incompetência e má governação.

O nosso sistema político-administrativa, a nossa organização público-institucional precisa ser reformada urgentemente, sendo um modelo que é no seu todo cópia do modelo português, dificulta a nossa Administração do Estado, porque são realidades diferentes.

Sem descentralização não há desenvolvimento.

Por Leonardo Quarenta

Doutorando em Direito Constitucional e Internacional

Mestrado em Relações Internacionais e Diplomacia

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up