Terça, 04 de Agosto de 2020
Follow Us

Os acionistas da operadora de telecomunicações angolana Unitel estão hoje reunidos em Assembleia-Geral para deliberar sobre 13 pontos, incluindo uma auditoria forense à gestão da empresa nos últimos dez anos e recomposição do conselho de administração.

Published in Em Cima da Hora

A Vidatel, da empresária Isabel dos Santos, congratulou-se hoje pelo reconhecimento, pela Unitel, da existência de dividendos a serem pagos pela operadora angolana no valor de 89 mil milhões de kwanzas (136 milhões de euros ao câmbio atual).

Published in Economia

A operadora angolana Unitel SA veio a público, esta quinta-feira, reafirmar que ainda aguarda o pagamento de 405 milhões de dólares (cerca de 345 milhões de euros) da sociedade detida pela empresária Isabel dos Santos, a Unitel International Holdings.

Published in Sociedade

A auditoria forense à gestão da Unitel S.A, nos últimos 10 anos, está entre os tópicos da reunião da Assembleia-Geral da maior operadora móvel angolana, iniciada segunda-feira, em Luanda, mas que, por razões de agenda, foi suspensa e deve retomar na próxima segunda-feira.

Published in Sociedade

Economistas angolanos convergiram hoje, em Luanda, na ideia de que a economia do país se encontra “num estado de emergência” e que, devido à baixa do preço do barril de petróleo, a situação é “muito má”.

A caracterização foi hoje feita por um grupo de economistas nacionais numa mesa redonda sobre “O Estado da Economia em Angola e suas Repercussões sobre Outros Setores”, promovida pela Oficina do Conhecimento, organização criada em 2008 por jovens académicos angolanos com o objetivo da partilha de conhecimento.

Carlos Rosado de Carvalho, Rui Malaquias (na foto), António Estote e Precioso Domingos foram os oradores na mesa redonda, que olhou para o estado da economia do país depois da baixa do preço do barril do Brent, aliada à pandemia do novo coronavírus.

Em declarações no final do evento, António Estote disse que a economia nacional agora “é caracterizada por um estado de emergência, devido à redução drástica do preço do barril do petróleo, que vai exigir esforços do Ministério das Finanças, sobretudo a nível das despesas”.

“Aquilo que aconselhamos ao Ministério das Finanças é a redução das despesas, sobretudo no congelamento de alguns projetos menos prioritários e uma verdadeira consolidação fiscal a nível das despesas públicas”, referiu.

O economista sublinhou que o país está numa situação estrutural, de círculo vicioso da dívida, com uma taxa excessiva de endividamento público.

“E também podemos entrar em ‘default’, no cumprimento do serviço da dívida, uma vez que o petróleo é a única fonte líquida de divisas para a nossa economia”, frisou.

Por sua vez, Carlos Rosado de Carvalho classificou como “muito mau” o estado atual da economia, que “já era mau”.

“E agora foi agravado com esta coisa do Covid-19, depois também a guerra entre a Rússia e Arábia Saudita. Nós dependemos muito do petróleo, mas isso não é o nosso problema. O nosso problema é nós não sermos capazes de produzir outras coisas que não o petróleo e não é o Estado que vai produzir bens e serviços, quem vai produzir são os privados”, realçou.

O economista angolano frisou que o papel do Estado “devia de ser o de criar condições” para captar investimentos privados, ou seja, criar um bom ambiente de negócios.

“É isso que não está a acontecer e em muitos casos não é preciso dinheiro para se criar um bom ambiente de negócios. Para combater a burocracia não é preciso dinheiro, pelo contrário, se combatermos a burocracia nós até poupamos dinheiro”, afirmou.

Carlos Rosado de Carvalho criticou também as escolhas menos acertadas do Governo, nomeadamente selecionando projetos de investimento que não são prioritários, “como o caso do metro de superfície, do hospital para dirigentes, das compras de carros, entre outros, e que dá sinais errados à população”.

“O Governo quer privatizar a economia, mas em muitos casos antes de privatizar está a aumentar o seu peso na economia, nomeadamente diz que queria vender 25% da Unitel e o que acabou por fazer foi comprar mais 25% e ter agora 50% da Unitel, basicamente mandar na Unitel e ao mandar na Unitel manda no BFA”, exemplificou.

Published in Economia
Página 1 de 5

Log in or Sign up