Terça, 02 de Junho de 2020
Follow Us

Terça, 31 Março 2020 16:35

Angola é dos países mais vulneráveis à turbulência financeira - Moody's

A agência de notação financeira Moody's colocou hoje Angola como um dos três países emergentes endividados que estão mais vulneráveis à turbulência nos mercados financeiros devido à crise económica criada pela pandemia da covid-19.

"A deterioração das perspetivas económicas globais, no seguimento da pandemia do novo coronavírus e a forte queda do preço das matérias-primas está a desencadear uma significativa volatilidade nos mercados financeiros e aversão ao risco, a que poucos países nos mercados emergentes são imunes", escrevem os analistas.

Numa nota em que colocam Angola, a par do sultanato de Omã e do reino do Bahrein, na lista dos mais vulneráveis a esta aversão ao risco por parte dos investidores em tempos de incerteza, os analistas apontam que "os países que precisam de aceder aos mercados financeiros para refinanciar a dívida em moeda externa, e, mais genericamente, que se endividam fortemente nos investidores estrangeiros privados, devem encontrar condições proibitivas, pelo menos a curto prazo".

Na análise a este tipo de países, em que se destaca Angola, com um rácio de dívida pública face ao PIB acima dos 100% e com uma forte dependência dos mercados para financiamento e do petróleo para as receitas fiscais, a Moody's alerta que "se o ambiente de aversão ao risco se mantiver durante um longo período, as métricas de crédito como a vulnerabilidade externa, a dívida e a sustentabilidade da dívida também devem deteriorar-se significativamente".

Para a Moody's, "os países emissores de dívida com avaliação abaixo da recomendação de investimento, e com um grande montante de dívida em moeda externa a credores privados, como o Bahrein, Omã e Angola, estão particularmente vulneráveis", já que "ainda que o acesso a financiamento dos parceiros para o desenvolvimento possa mitigar este risco, os recursos são limitados".

Com base na dívida pública face ao PIB, que o Fundo Monetário Internacional (FMI) diz estar acima dos 100% do PIB, estes três países "estão no mais elevado nível de risco de uma forte e prolongada ausência de apetite por parte dos investidores" e de entradas de fluxos de investimento, alertando também que o montante de dívida em moeda estrangeira excede o tamanho das reservas internacionais.

Nas últimas semanas, a Moody's tem divulgado várias análises sobre os países que enfrentam simultaneamente vários choques externos, colocando Angola entre os mais afetados, não só pela forte dependência do petróleo, cujos preços estão em mínimos do século, mas também pela exposição às flutuações dos mercados internacionais, tudo isto exacerbado com a incerteza causada pela propagação da covid-19, que vários analistas dizem já ter colocado o mundo em recessão económica.

Na sexta-feira, a ministra das Finanças de Angola classificou a queda do preço do petróleo como "dramática" para o país e reviu a previsão de crescimento para este ano, estimando agora uma recessão de 1,2%, o quinto ano consecutivo de contração da economia.

O número de mortes pela covid-19 em África subiu para 173 nas últimas horas, com os casos confirmados a ultrapassarem os 5.000 em 47 países, de acordo com as mais recentes estatísticas sobre a doença no continente.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up