Sexta, 14 de Junho de 2024
Follow Us

Sábado, 25 Mai 2024 16:06

IIA Angola aposta no combate à fraude e na profissionalização dos auditores internos

A Conferência Anual de Auditoria Interna, promovida pela IIA Angola, realizou-se na quarta-feira, 22, no auditório da ENAPP, em Luanda, e este ano contou com distintos especialistas oriundos de diversas geografias para debater a Ética e 4 temas de suma importância para as organizações Angolanas, como referiu o Presidente do IIA Angola, Artur Quicassa.

O painel de preletores contou com Manoel Caetano Ferreira, Presidente da Comissão de Ética Pública da República Federativa do Brasil, que debateu sobre a Ética no Funcionalismo Publico; Ladislau Ventura Ph.D., Presidente da Mesa da Assembleia Geral do IIA-Angola, discursou sobre o “Flagelo da Corrupção e o Papel da Auditoria interna na Elevação do Clima Ético Organizacional”; Hawaly Kone, Presidente da IIA-Mali e Directora da Agência Nacional de Luta contra a Corrupção no MALI, que apresentou o tema “A Preponderância da Ética para a Governança e a Gestão do Risco Corporativo”, Luís Lee, académico português, Especialista em QAIP (Quality Assurance and Improvement Program), que falou sobre o tema “Certificação da Qualidade da Função de Auditoria Interna, sua importância e suas vantagens para as organizações” e António Brasiliano Ph.D., académico e Presidente da Brasiliano INTERISK, que apresentou o tema “Preocupações, perigos e oportunidades sobre cibersegurança e inteligência artificial”, e como a ética nas organizações pode ajudar a mitigar riscos.

Durante a conferência, referiu-se que o sector privado está maduro do que o público em Auditoria Interna, esse foi um dos motivos que levou a IIA global a emitir novas normas que deverão ser adoptadas por todos os auditores internos a partir de 9 de janeiro 2025. Normas essas, que serão também aplicadas pelo sector público e, isto, atendendo às especificidades da mesma, possibilitará enquadrar de forma mais adequada, a própria função da Auditoria Interna, atribuindo-lhe o devido reconhecimento.

Quanto a mudanças de paradigma nos sectores público e privado em Angola, o Presidente da IIA Angola, Artur Quicassa constata que “há mais consciência da eficácia e da eficiência do papel da Auditoria Interna nas organizações, o que também tem melhorado o clima de ética entre os auditores. Estamos a trabalhar na clarificação e consciência dos auditores enquanto profissionais; esta é uma profissão fortemente centrada na confiança e na ética, só assim é possível haver transparência. O impacto que pretendemos ter no sector público e privado, não reside no número de auditores presentes nas organizações, mas sim na qualidade dos profissionais, no compromisso com a qualidade, eficiência e eficácia do seu trabalho”.

Referiu ainda “a profissão de Auditor Interno está a despertar e tem suscitado interesse nos angolanos, há mais interação com o IIA Angola, mais pedidos de informação e procura de formação profissional. Esta edição da Conferência contou com a presença de participantes do Namibe, Benguela, Huambo e Zaire, ao contrário das edições anteriores onde o público presente era essencialmente de Luanda”.

Rate this item
(1 Vote)