Quinta, 18 de Julho de 2024
Follow Us

Quinta, 18 Junho 2020 12:41

Filho de ex-ministro de Angola beneficiou de transferências ilícitas da Odebrecht

Um Cadillac Escalade, um Mercedes, um Range Rover ... A Odebrecht, a gigante da construção brasileira que estrelou a maior trama de suborno da América Latina, alimentou com milhões de fundos uma conta bancária em Andorra, usada para comprar uma dúzia de veículos de luxo e dois navios.

 Segundo o jornal EL País, um misterioso "corretor" de negócios angolano foi o beneficiário das transferências.

 Por meio da Klienfeld, adianta a fonte, a empresa sem atividade utilizada pela construtora para comprar as vontades de políticos e altos funcionários, a Odebrecht transferiu um total de quatro milhões de euros entre 2008 e 2009 para uma conta na Banca Privada d'Andorra (BPA) do economista Edson N'Dalo Leite de Morais, de acordo com documentos a que o EL PAÍS teve acesso.

 Os pagamentos foram solicitados através de transferências internas, um sistema que não deixa rastros. E o dinheiro viajou da conta BPA da empresa instrumental da Odebrecht para a de Leite de Morais, que camuflou o seu nome em homenagem à empresa panamenha Barton International S.A.

 A conta do empresário angolano em Andorra foi alimentada pelos quatro milhões que o gigante brasileiro da construção lhe transferiu através de Klienfeld, um comerciante incorporado na ilha caribenha de Antígua e Barbuda. "Esta é a assinatura da construtora brasileira que costumava pagar subornos", afirma a inteligência de Andorra num relatório.

 Leite de Morais faturou as suas compras de barcos e carros de luxo através da empresa Emirais LDA e não através da Barton International SA "É economicamente inconsistente", excluiu a Uifand, que sustenta que o filho do antigo Ministro das Finanças  não justificava no banco do principado dos Pirinéus "o atividade da Barton International SA ”.

 Os pesquisadores de Andorra, onde a Odebrecht é investigada judicialmente desde 2015 por usar o BPA para pagar propinas, sustentam que "não é possível saber quem é o verdadeiro dono dos fundos do Leite de Morais". E eles enquadram as suas compras de produtos de luxo em "um sistema de integração de fundos".Um relatório da Unidade Andorran de Inteligência Financeira (Uifand), em junho passado, questiona que Leite de Morais, um empresário com interesses em Angola e no Brasil, é o verdadeiro dono desses fundos. E ele sustenta que a sua conta foi usada para "pagar terceiros".

 Assim, os depósitos de Leite de Morais transferiu em 2009 um total de 101.000 euros para José Pedro de Morais, governador do Banco Nacional de Angola e ministro das Finanças entre 2002 e 2008. Esse ex-membro do governo do ex-presidente José Eduardo dos Santos juntou o dinheiro em duas contas americanas do Bank of America e Eurobank. Este jornal tentou, sem sucesso, entrar em contato com Edson Leite de Morais e José Pedro de Morais.

 O depósito do suposto economista também foram usados para pagar um catamarã (178.000 euros), um caminhão (257.000), um Mercedes Benz (132.000), um caminhão Ford F550 (85.000), jet skis e quadriciclos. jornal EL País

Rate this item
(1 Vote)