Quarta, 29 de Junho de 2022
Follow Us
Destaque

Destaque (278)

José Eduardo dos Santos está "triste" e "desiludido" com o sucessor, João Lourenço. A revelação é feita por Tchizé dos Santos, filha do antigo chefe de Estado, que diz que o pai quer ver Adalberto Costa Júnior no poder.

Fonte do gabinete do ex-Presidente angolano confirma a gravidade do seu estado de saúde: “De ontem para hoje a situação agravou-se consideravelmente”

O ativista luso-angolano Luaty Beirão disse hoje que a fraude das eleições gerais angolanas de 24 de agosto próximo “está feita desde o ano passado” e as ações em curso são “atos preparatórios para a sonegação da soberania popular”.

José Eduardo dos Santos terá sofrido um acidente vascular cerebral (AVC). Vítima de uma súbita paragem respiratória, o antigo Presidente angolano, segundo apurou o Expresso, terá caído na casa de banho da residência onde, na capital catalã, vive desde Abril de 2019.

O presidente da República de Angola, João Lourenço, telefonou esta sexta-feira a Ana Paula dos Santos para se inteirar do estado de saúde de José Eduardo dos Santos.

O ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, encontra-se internado nos cuidados intensivos de uma unidade hospitalar em Barcelona, a cidade espanhola onde tem residido nos últimos tempos. 

As despesas da presidente do Tribunal de Contas de Angola, Exalgina Gamboa, que terá gastado quatro milhões de dólares em mobílias a expensas do Estado angolano, não mereceram explicações por parte da instituição nem da Procuradoria-Geral da República.

A UNITA mostrou-se hoje indignada com a divulgação, nas redes sociais, de documentos pessoais e de viagem do presidente do partido, Adalberto da Costa Júnior, acusando agentes dos Serviços de Emigração ou funcionários do protocolo do Estado de “cumplicidade”.

O economista angolano Alves da Rocha admitiu hoje que a redução dos preços de bens da cesta básica seja uma “medida eleitoralista”, valorizando, por outro lado, a redução das tarifas alfandegárias e o aumento da produção interna.

A investigadora da Universidade de Oxford Paula Roque defendeu hoje que as eleições de agosto em Angola serão "as menos transparentes e credíveis" das realizadas até agora, e disse recear o que possa acontecer no dia pós-ato eleitoral.

Página 1 de 20