Terça, 02 de Junho de 2020
Follow Us

Sexta, 06 Dezembro 2019 23:02

PGR arresta bens da empresa Aenergy por "indícios de violação" de contratos

A Procuradoria-Geral da República de Angola anunciou hoje que intentou uma providência cautelar de arresto contra a empresa Aenergy, liderada pelo português Ricardo Machado, por “indícios de violação” de contratos.

Segundo um comunicado, em causa estão contratos celebrados com o Ministério de Energia e Águas, “através da empresa pública Prodel para o fornecimento de turbinas, visando a produção de energia elétrica decorrente de uma linha de crédito atribuída ao Estado angolano” no valor de 1.100 milhões de dólares.

O documento prossegue referindo que foram “apreendidas judicialmente as quatro turbinas elétricas adquiridas com fundos públicos sem o conhecimento do Ministério de Energia e Águas”.

No âmbito do mesmo processo foram ainda “arrestadas peças e consumíveis decorrentes de um contrato de fornecimento e a assistência técnica de geradores industriais e outros materiais de produção de energia elétrica celebrado entre a Aenergy e o Ministério da Energia e Águas através da empresa pública ENDE”, no valor de 114 milhões de dólares.

Entretanto, a Aenergy acusou o Estado angolano de "expropriação ilegal e infundada" de quatro turbinas e outros equipamentos, decisão que já está a contestar no Tribunal de Luanda.

A empresa indica, em comunicado a que Lusa teve acesso, ter sido notificada, hoje de manhã, da decisão provisória do Tribunal de Luanda relativa ao arresto de bens.

"Esta expropriação chocantemente ilegal e infundada, é apenas mais um episódio da violação grosseira dos princípios elementares do Estado de Direito em Angola, e serve o propósito de encobrir as ações de natureza criminal de terceiros, protegidos pelo ministro da Energia e Águas (Minea), justificando também uma rescisão ilícita e infundada dos contratos que a Aenergy tinha em vigor com entidades superintendidas pelo Minea", lê-se na nota.

A Aenergy está envolvida num contencioso com Angola desde que o executivo angolano rescindiu, em setembro, vários contratos com a empresa alegando quebra de confiança devido a alegadas irregularidades, acusações que a empresa rejeita, garantindo ter alertado o ministério da tutela (Ministério da Energia e Águas) e ter executado vários projetos sem receber pagamento.

Em causa está designadamente a aquisição de quatro turbinas no âmbito de um financiamento da GE Capital, sem que as mesmas tivessem sido previstas nos contratos celebrados com o setor, segundo o Minea.

A Aenergy refere, no comunicado de hoje, que ainda não foi ouvida neste processo e solicita ao fiel depositário dos bens ilegalmente arrestados, a Inspeção-Geral da Administração do Estado, que armazene os referidos bens "para não venham a ser utilizados pelo Estado de Angola sem que o tribunal se pronuncie de forma definitiva".

A empresa alega ter sido ilegalmente impedida de prestar os seus serviços ao Minea, sendo credora desta instituição num valor superior a 112 milhões de dólares (101 milhões de euros) já certificado por entidades independentes internacionais, montante a que acresce o preço das quatro turbinas GE 2500 adicionais agora arrestadas.

Segundo a Aenergy, a decisão agora proferida pelo Tribunal de Luanda refere a falsificação de documentos que a própria empresa teria exposto junto da Procuradoria-Geral da República e que acusa o Minea de ter ignorado.

"Até à presente data, a Aenergy não teve acesso às referidas cartas forjadas, o que a levou a intentar, com sucesso, uma ação junto do Tribunal de Nova Iorque ("Southern District of New York"), nos EUA, de forma a obrigar a General Electric a disponibilizar todo o processo", adianta a empresa, indicando que o governo angolano foi na quinta-feira notificado da decisão.

Em causa estarão alegadas cartas da Prodel e da ENDE, empresas estatais angolanas de produção e distribuição de eletricidade, que terão sido usadas para financiar as turbinas através da GE Capital.

A Aenergy diz ter alertado para eventuais irregularidades desde dezembro de 2018, e ter apresentado uma ‘due dilligence' (diligência prévia), por sua iniciativa, "que nunca mereceu qualquer comentário ou contestação por parte do ministério".

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up